McLaren mantém time para 2003

Conforme já se esperava, a dupla da McLaren para a próxima temporada será a mesma deste ano: Kimi Raikkonen e David Coulthard. O anúncio oficial foi feito nesta sexta pelo sócio e diretor da equipe, Ron Dennis, e o diretor esportivo da Mercedes, Norbert Haug.Alexander Wurz será o terceiro piloto. O encontro com a imprensa no autódromo serviu para confirmar também que o finlandês Mika Hakkinen, campeão do mundo de 1998 e 1999, não vai mesmo voltar a correr.Como a Ferrari já antecipou que não só para 2003, mas também em 2004 seus dois pilotos serão os mesmos, só falta Frank Williams reconfirmar Ralf Schumacher e Juan Pablo Montoya, o que deverá ocorrer em breve.Não haverá mudanças nos três principais times de hoje na Fórmula 1. A quarta força do mundial, a Renault, anunciou através de seu diretor-esportivo, Patrick Faure, no GP da França, semana passada, que o espanhol Fernando Alonso e o italiano Jarno Trulli serão os seus pilotos no próximo campeonato, ambos empresariados por Flavio Briatore, diretor geral da escuderia.Como Olivier Panis perderá a sua vaga da BAR - já foi avisado de que será substituído por Jenson Button - a França pode não ter nenhum representante na Fórmula 1 em 2003, enquanto em 1984 chegou a ter 7 pilotos. Seria o caso de o país rever seus planos de formação desse profissionais, mantidos pela Elf, por exemplo, que se propões a apoiá-los do kart à Fórmula 1. A esperança maior agora é que o líder da Fórmula 3000, o jovem e veloz Sebastien Bourdais, possa ser aproveitado na Fórmula 1.Outras composições que ganharam força nesta sexta na Alemanha: a Jordan poderá ter Giancarlo Fisichella e Heinz-Harald Frentzen em 2003 e motor Ford. Mais: a Sauber fica como está, com Felipe Massa e Nick Heidfeld, e a Jaguar deverá correr com Mark Webber, hoje na Minardi, e Pedro de la Rosa. O brasileiro Cristiano da Matta, líder da Fórmula Indy, é o mais cotado para ser o companheiro de Mika Salo na Toyota.?Furada? - Uma notícia pouco comum agitou a imprensa brasileira nesta sexta no circuito de Hockenheim. Cesar Scigliano, de Curitiba, conversou com Tom Walkinshaw, sócio da Arrows, para conhecer as condições da equipe, visando, quem sabe, um investimento de empresários brasileiros no projeto ou mesmo no piloto Enrique Bernoldi, de Curitiba também.Scigliano representa a Motorsport Industry Association (MIA), organização inglesa que tem como objetivo divulgar tudo o que a Inglaterra produz na área de esportes a motor. Boa parte dos carros e equipamentos usados em competições no mundo todo provém do país. A função de Scigliano na MIA é expor esse universo a fim de aumentar sua participação no automobilismo brasileiro. Talvez quando ele for informado, ou descobrir, que o rombo na Arrows não é menor de US$ 50 milhões, conforme se comenta com boa base na Fórmula 1, o empresário tenha mais elementos para definir os investimentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.