Médicos dizem que Kubica passou a noite tranquilo após operação

E reforçam que o polonês precisará de um ano para recuperar as funções da mão direita

Efe

07 de fevereiro de 2011 | 09h52

ROMA - O piloto polonês de Fórmula 1 Robert Kubica, que neste domingo sofreu um grave acidente durante um rali no norte da Itália, passou a noite tranquilo após a operação de sete horas à qual foi submetido em um hospital próximo a Gênova, informou o médico Igor Rossello.

"A mão está quente, o que significa que a cirurgia correu bem", assegurou Rossello.

O médico acrescentou que serão necessários, "pelo menos, seis dias para verificar se a circulação sanguínea do membro responde como deveria" e que o piloto precisará de um ano para recuperar a plena funcionalidade da mão direita, a parte de seu corpo mais atingida pelo acidente.

Kubica, que permanece sedado após a intervenção cirúrgica, foi mantido acordado esta manhã durante vários minutos para comprovar se estava bem e, posteriormente, os médicos voltaram a sedá-lo, informa o jornal La Gazzetta dello Sport em seu site.

O piloto foi operado durante sete horas no hospital Santa Corona di Pietra Ligure após sofrer um grave acidente enquanto disputava o rali "Ronde di Andora-Memorial Roberto Melotto".

O carro que conduzia, um Skoda Fabia, saiu da estrada e se chocou contra o muro de uma igreja.

Kubica, que ficou preso dentro do veículo, teve que ser resgatado pelos bombeiros. Seu copiloto, Jacob Gerber, conseguiu sair ileso do automóvel.

O polonês sofreu "múltiplas fraturas na perna e no braço direito, além de graves cortes no antebraço que poderiam afetar à mobilidade de sua mão direita", informou em uma nota a equipe Lotus-Renault, à qual pertence o piloto, após a operação.

"Foi uma operação muito difícil já que seu antebraço direito estava seccionado em duas partes, com lesões grandes em ossos e tendões", disse ao término da operação Rossello, que acrescentou que a equipe médica fez o possível para recuperar a mobilidade do antebraço.

Após a operação, Robert Kubica foi mantido em observação durante toda a noite porque suas condições eram "sérias", segundo os médicos.

Por sua parte, o diretor esportivo da Lotus Renault, Eric Boullier, disse através de um comunicado que a notícia do acidente foi um "choque" para toda a equipe e desejou uma "pronta recuperação" ao piloto.

Além disso, agradeceu à equipe médica do hospital italiano por seu trabalho e disse que nas próximas horas viajará à Itália para visitar o piloto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.