William West/AFP
William West/AFP

Mercedes culpa calculadora virtual por erro que tirou vitória de Hamilton

Hamilton parecia estar com o controle total da prova, mas de repente ele se viu atrás de Sebastian Vettel após sair dos boxes

Estadão Conteúdo

29 de março de 2018 | 15h46

A Mercedes responsabilizou nesta quinta-feira um problema na ferramenta utilizada pela Mercedes para calcular o tempo de volta dos pilotos pelo erro que custou ao britânico Lewis Hamilton a chance de vencer o GP da Austrália, que abriu no último fim de semana a temporada 2018 da Fórmula 1.

Em alta na F-1, Haas renova contrato com piloto de desenvolvimento

Hamilton parecia estar com o controle total da prova depois de sustentar a liderança na largada - foi o pole position -, mas de repente ele se viu atrás de Sebastian Vettel após sair dos boxes. A situação ocorreu depois que um safety car virtual foi implementado para a remoção da Haas de Romain Grosjean da pista.

Quando o safety car virtual é usado, os carros permanecem na pista, mas diminuem a velocidade para um ritmo que não é de prova. Há então uma distância curta entre a linha designada para o safety car e a entrada para os boxes, com os carros podendo rapidamente acelerar, que foi o que Vettel fez antes da sua parada, algumas depois da de Hamilton.

O tempo mostrou-se crucial, pois a Mercedes julgou mal a diferença para Vettel, permitindo ao piloto da Ferrari assumir a liderança e vencer a corrida. Hamilton terminou em segundo. Andrew Shovlin, diretor de engenharia de pista, explicou que a Mercedes calculou mal o tempo que Hamilton permaneceu com velocidade reduzida sob o safety car e o pit stop de Vettel.

"O problema não foi com o software de estratégia de corrida que usamos. Foi com a ferramenta offline que criamos para calcular os tempos de volta, e encontramos um bug nessa ferramenta, e isso significa que nos deu o número errado", disse Shovlin. "O número que estávamos calculando era em torno de 15 segundos, e, na realidade, o número foi um pouco menos de 13 segundos. É por isso que pensamos que estávamos seguros. Nós pensamos que tínhamos um pouco de margem".

Vettel saiu à frente de um confuso Hamilton, que entrou no rádio para perguntar sua equipe o que havia acontecido. O traçado do circuito de Albert Park, onde é notoriamente difícil de realizar ultrapassagens, reduziu as chances do britânico de superar o alemão. Foi, também, um ato de astúcia da Ferrari e um raro erro da Mercedes, extremamente eficiente na conquista dos últimos quatro campeonatos de pilotos e construtores.

"Nós pensamos que Sebastian ia sair atrás de nós, nós não estávamos dizendo a Lewis para acelerar mais", disse Shovlin. "Nós fomos embalados por esta falsa sensação de segurança e não tivemos Lewis pilotando tão rápido quanto nós poderíamos".

A Mercedes disse que um erro semelhante não será cometido no futuro. A próxima etapa do campeonato será o GP do Bahrein em 8 de abril. "Nós olhamos para tudo o que deu errado, para descobrir como corrigir e, depois, colocamos as coisas no lugar para nos certificarmos de que não vamos repeti-lo", concluiu Shovlin.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Mercedes-BenzLewis Hamilton

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.