Enric Fontcuberta/EFE
Enric Fontcuberta/EFE

Mercedes, Vettel e Red Bull adotam mesma estratégia de pneus para GP da Austrália

Monegasco Charles Leclerc, companheiro do alemão na escuderia italiana, foi a exceção na escolha

Redação, Estadão Conteúdo

05 de março de 2019 | 12h01

A Pirelli divulgou nesta terça-feira os pneus escolhidos pelas equipes para o fim de semana do GP da Austrália, prova que vai abrir a temporada 2019 da Fórmula 1 em 17 de março, e revelou que Mercedes, Ferrari e Red Bull, consideras as principais equipes do grid, decidiram adotar praticamente a mesma estratégia, com o monegasco Charles Leclerc sendo a exceção.

Como já havia ocorrido nos testes da pré-temporada, os pneus passam a ter nomenclatura diferente nas provas, por escala de dureza. No primeiro GP do ano, eles vão de C2, o composto mais duro disponível, até o C4, o pneu mais macio para o fim de semana na Austrália.

Cada piloto pode utilizar 13 compostos por fim de semana, sendo obrigatoriamente um de cada tipo. A Mercedes, com o britânico Lewis Hamilton e o finlandês Valtteri Bottas, o alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, e os pilotos da Red Bull, o holandês Max Verstappen e o francês Pierre Gasly, fizeram a mesma opção: um jogo de compostos C2, três C3 e nove do tipo C4.

A exceção entre as mais fortes equipes da Fórmula 1 foi, então, Leclerc. O monegasco, que disputará a sua primeira prova como piloto da Ferrari, contará com dois jogos de compostos C2, dois do C3 e nove do C4.

Entre as outras equipes do grid da Fórmula 1, a Renault, com o australiano Daniel Ricciardo e o alemão Nico Hulkenberg, foi quem mais selecionou os pneus mais macios disponíveis, o C4, com dez. Já o novato britânico George Russell, que vai estrear pela Williams, acabou sendo o piloto que optou por mais compostos médios, o C3, com quatro.

O primeiro treino livre para o GP da Austrália vai ser disputado às 22 horas (de Brasília) de 14 de março. E a prova no circuito de Melbourne tem largada prevista para as 2h10 de 17 de março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.