Peter Parks/AFP
Peter Parks/AFP

Mesmo com Ricciardo na Renault, Austrália espera 300 mil em fim de semana de GP

Piloto do país tem menos chance de subir ao pódio pela escuderia

Redação, Estadão Conteúdo

13 de março de 2019 | 17h46
Atualizado 15 de março de 2019 | 17h46

A mudança de Daniel Ricciardo da Red Bull para a Renault pode ter diminuído as chances de pódio do piloto australiano, mas não abalou o entusiasmo dos fãs da Fórmula 1 para o GP da Austrália neste fim de semana. Segundo Andrew Westacott, diretor executivo da prova, estima-se que 100 mil pessoas estarão no circuito de Albert Park para ver a corrida no domingo. Para todo o fim de semana são esperados 300 mil fãs.

"A procura por ingressos cresceu de sete a oito por cento em relação ao ano passado", disse Westacott, nesta quarta-feira, em um evento da Fórmula 1 no centro de Melbourne, onde milhares de pessoas compareceram para a apresentação das equipes e pilotos da atual temporada. "Daniel é quem faz a diferença. É um herói. É uma pessoa que tem conexão com o público", reforçou o dirigente.

Ricciardo admitiu que suas chances de atacar Mercedes e Ferrari diminuíram ao dirigir um carro da Renault, mas prometeu dar o máximo para obter um grande desempenho. Em 2014, ele se tornou o primeiro piloto de seu país a subir no pódio depois de 31 anos. O último australiano havia sido John Smith em 1983. O ídolo local terminou em segundo lugar, mas acabou desclassificado por exceder a quantidade de combustível permitido.

Westacott não considera que o ex-piloto da Red Bull possa estar desta vez entre os favoritos para subir ao pódio. "A Renault tem um bom carro e tem conseguido bons resultados aqui. Acho que Ricciardo vai tentar alcançar o pódio."

Depois de ter alguns problemas de relacionamento com o holandês Max Verstappen na Red Bull, o piloto considera "ideal" sua dupla com o alemão Nico Hülkenberg na Renault. "Estamos em sintonia. Tenho um bom relacionamento pessoal com o Nico."

Sebastian Vettel, da Ferrari, foi o vencedor da prova australiana no ano passado, seguido por Lewis Hamilton, da Mercedes. A primeira sessão de treinos livres está marcada para esta quinta-feira, às 22 horas (horário de Brasília). A busca pela pole position ocorre na madrugada sábado, às 3 horas (de Brasília). A corrida tem largada prevista para as 2h10 de domingo.

Para Entender

Fórmula 1: O guia da temporada 2019

Com nova regra de pontuação, campeonato pode coroar Lewis Hamilton como o segundo maior piloto da história

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.