Jerome Miron/USA Today Sports
Jerome Miron/USA Today Sports

Mesmo em quinto após punição, Vettel comemora bom tempo com a Ferrari nos EUA

'Foi um dia bem positivo, nós passamos muito perto', declarou o piloto alemão

Estadão Conteúdo

20 Outubro 2018 | 22h26

Ainda sonhando com o título da temporada da Fórmula 1, mesmo estando 67 pontos atrás do inglês Lewis Hamilton faltando apenas quatro etapas, o alemão Sebastian Vettel se mostrou satisfeito com o desempenho de sua Ferrari no treino oficial de classificação, apesar de ter de sair da quinta colocação no grid de largada para o GP dos Estados Unidos, fruto de uma punição de três posições por ter ultrapassado o limite de velocidade em uma bandeira vermelha no primeiro treino livre de sexta-feira.

Na pista de Austin, Vettel ficou apenas 0s061 atrás do rival da Mercedes e desabafou ao ser avisado no rádio da Ferrari sobre a proximidade nos tempos do treino. Apesar da irritação naquele momento, afirmou que estava feliz por recuperar algum terreno na comparação para a escuderia alemã.

"Foi muito próximo. É uma pena quando você perde por tão pouco tempo assim, mas eu fiquei bem feliz com as voltas que consegui dar", disse o alemão. "Depois das últimas semanas que tivemos, fiquei muito agradecido de voltar para perto. Hoje (sábado) ficamos surpreendentemente próximos, não esperávamos que estivesse tanto assim", completou.

Com a enorme vantagem na liderança, Hamilton tem várias combinações de resultado para deixar o Circuito das Américas já com o penta garantido matematicamente. Uma delas é vencer e Vettel chegar no máximo na terceira colocação.

Com Vettel punido, quem herdou o segundo lugar no grid de largada foi o companheiro de equipe Kimi Raikkonen. O finlandês destacou a proximidade de seu tempo para a pole e lembrou que a prova é longa, defendendo que a Ferrari pode, sim, brigar pelo triunfo.

"Foi um dia bem positivo, nós passamos muito perto. Eu me senti bem no carro, acho que podemos brigar amanhã. A corrida é bem longa, mas vamos tentar fazer uma grande largada e ficar no pelotão da frente sempre", disse.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.