Leonhard Foeger / Reuters
Leonhard Foeger / Reuters

Mesmo sem vaga de titular, Kubica comemora retorno à Fórmula 1 após oito anos

Piloto perde vaga na equipe principal para Sergey Sirotkin, que conta com apoio financeiro de empresas russas

Estadão Conteúdo

16 Janeiro 2018 | 11h42

Não era a vaga que Robert Kubica sonhava, em seu retorno à Fórmula 1 após oito anos. Mas, mesmo sendo preterido em favor do russo Sergey Sirotkin, o experiente polonês comemorou a chance de ser piloto reserva da Williams, segundo anunciou o time britânico nesta terça-feira. Sirotkin foi o escolhido para ser o titular ao lado do canadense Lance Stroll.

+ Blog Conversa de Pista: F-1 economiza dinheiro e palavras

+ Morre piloto Dan Gurney, que venceu corridas na F-1, F-Indy e Nascar

"Estou extremamente feliz por me unir à Williams como seu piloto reserva e de desenvolvimento nesta temporada", disse o piloto de 33 anos, que não deixou de mencionar suas metas, no comunicado divulgado pela equipe. "Meu objetivo Mair é voltar a correr pela Fórmula 1 e, este anúncio, é mais um passo em direção a esta meta."

Sirotkin, de 22 anos, desbancou Kubica com a força do aporte financeiro dos seus patrocinadores. Sirotkin faz parte do programa da SMP Racing, que é bancada SGM Group, uma das maiores companhias de energia da Rússia. E tem o bilionário Boris Rotenberg, aliado do presidente Vladimir Putin, como um dos seus proprietários.

Em novembro do ano passado, rumores apontavam Kubica como franco favorito a ficar com a vaga de Massa. O polonês teria até assinado um pré-contrato com a Williams. Mas o polonês perdeu força nesta disputa particular após participar dos últimos testes do ano, comandados pela Pirelli, em Abu Dabi.

Antes dos testes, havia o temor por parte da Williams de que Kubica sofreria com sequelas do acidente de rali sofrido em fevereiro de 2011, quando chegou a correr risco de morte. O acidente abreviara a carreira do piloto na F-1.

Kubica, contudo, garantiu que está em ótima forma física. "Sinto que estou na melhor forma física em toda a minha carreira. Mas foi necessário muito esforço para chegar aqui. Por isso, gostaria de agradecer à Williams pela oportunidade e pela fé que estão colocando em mim", declarou.

Chefe do departamento técnico da Williams, Paddy Lowe exaltou a boa recuperação física do piloto após o grave acidente. "Queria parabenizar Robert pelo que ele conseguiu até agora. Superar lesões, recuperar a forma física e pilotar um carro de F-1 novamente é uma conquista notável e algo que poucos conseguem", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
Fórmula 1 Williams Robert Kubica

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.