Mick Schumacher sofre acidente no treino da F-1 na Arábia Saudita e deixa circuito de ambulância

Mick Schumacher sofre acidente no treino da F-1 na Arábia Saudita e deixa circuito de ambulância

FIA e Haas confirmaram que piloto alemão está em 'boas condições' após a batida

Redação, Estadão Conteúdo

26 de março de 2022 | 15h36
Atualizado 26 de março de 2022 | 17h49

O piloto alemão Mick Schumacher sofreu um acidente neste sábado, durante o Q2 do treino classificatório do GP da Árabia Saudita, em Jeddah, e assustou todos que acompanhavam o evento. Como foi possível ver pelas imagens da transmissão, o carro ficou bastante danificado, mas o estado de saúde do piloto da Haas não preocupa, de acordo com as primeiras informações.

Alguns minutos depois do acidente, enquanto o carro destroçado era tirado da pista, a Haas informou que Mick estava consciente e a caminho do centro médico. O piloto chegou até a conversar com a mãe por telefone. Na sequência, foram mostradas imagens do momento em que embarcava no helicóptero, consciente em cima da maca.

Em nota oficial, a FIA confirmou que o piloto está em “boa condição”, mas que foi direcionado ao Hospital King Fahad para realizar exames, por precaução. O acidente obrigou a organização a paralisar os treinos, até porque partes do carro ficaram espalhadas pelo autódromo.

Após a sessão classificatória, Guenther Steiner, chefe da equipe norte-americana, por meio de um comunicado oficial, atualizou as informações de saúde do piloto.

“Um dia cheio para nós. O melhor é que aparentemente o Mick não teve nenhuma lesão. Ele está no hospital no momento sendo avaliado pelos médicos. Está em boas mãos. Existe, sim, uma possibilidade dele passar a noite em observação no hospital. Baseado nos fatos e onde estamos, decidimos não levar o carro dele à pista amanhã. Kevin não conseguiu treinar muito nesta manhã, creio que ele fez um trabalho fantástico chegando no Q3. A última volta dele não saiu conforme planejado, mas acho que foi devido a não termos tempo de pista suficiente. Estamos muito felizes em alcançar o Q3 e com a décima posição de largada para amanhã”, afirmou Steiner.

A tensão é um sentimento que vem marcando os últimos dias em Jeddah. Na sexta-feira, uma petrolífera da cidade foi atacada por um bombardeio de rebeldes, a 10 quilômetros do autódromo. A fumaça pôde ser vista pelos pilotos enquanto eles se preparavam para a disputa do segundo treino livre do GP.

As atividades chegaram a ser adiadas, e uma longa reunião foi realizada. Apesar de alguns pilotos manifestarem receio em continuar com os treinos, a decisão final da organização foi a de manter o cronograma normalmente. Os ataques foram reivindicados pelo grupo rebelde houthis, do Iêmen, protagonistas de um conflito contra a Arábia Saudita. Confira o acidente abaixo:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.