Montoya, a revelação do ano na F-1

A segunda metade de campeonato de Juan Pablo Montoya, da Williams, garante ao colombiano o título de "revelação da temporada" na Fórmula 1, ao lado do finlandês Kimi Raikkonen, da Sauber. Até o decisivo GP do Canadá, oitavo do Mundial, a não ser pelo seu desempenho no GP do Brasil, sua trajetória na estréia na Fórmula 1 estava sendo péssima. "Depois de Montreal compreendeu que falávamos por bem. Juan mudou seu método de trabalho e os resultados foram visíveis", disse Frank Williams nesta terça-feira.Montoya terminou apenas o GP da Espanha, em segundo, das oito primeira provas do ano, e só na Áustria foi mais rápido de Ralf Schumacher, o companheiro, no grid. O alemão, no entanto, já havia vencido as etapas de Ímola e do Canadá, somando 22 pontos. A partir dos erros cometidos em Mônaco e Montreal, onde bateu sozinho, Montoya tornou-se outro piloto. "Em princípio Juan não dava importância ao acerto do carro e até à preparação física", lembrou Williams. "Hoje perdeu peso e conclui as corridas sem grande desgaste." Nas nove etapas restantes da temporada, o colombiano estabeleceu três pole positions, Alemanha, Bélgica e Itália, venceu em Monza, e largou seis vezes na frente de Ralf. "Montoya cresceu enormemente e é uma aposta que vencemos", definiu Patrick Head, diretor-técnico da equipe.As relações com Ralf, por conta do seu avanço, tornaram-se ainda mais tensas. "Trata-se de uma convivência profissional transparente, mas não nos dirigimos a palavra e basta."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.