Montoya credita vitória à Williams

Juan Pablo Montoya atribuiu sua vitória no Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 à equipe Williams, que acertou na hora de estabelecer a estratégia de corrida e um pouco à sorte. "A prova foi decidida pela boa estratégia elaborada pelos engenheiros e Sam Michael (diretor técnico da Williams), que me chamou para trocar os pneus intermediários para o slick na hora certa. Depois eles tiveram outro bom momento no pit stop quando tinha Kimi (Raikkonen, da Mclaren) atrás de mim", contou o colombiano. "Eles fizeram um bom trabalho e me colocaram à frente por quase um segundo." O clima, segundo ele, contribuiu a seu favor. "Foi uma condição que não ajudou Barrichello", afirmou, lembrando que seus pneus eram melhores para o tempo úmido dos que o do rival brasileiro. Mas nem tudo foi fácil. "As primeiras voltas foram muito difíceis pois perdi algumas posições na largada por causa dos pneus, que estavam frios. Mas depois peguei mais aderência do que os outros", disse. Montoya tinha motivos extras para comemorar a vitória no Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1. A corrida em São Paulo é a única etapa da temporada da categoria na América do Sul então, vencer em Interlagos, para onde ruma a maior parte da torcida colombiana foi uma vitória em casa. "Muita gente veio da Colômbia para ver a corrida, então foi uma experiência especial", disse o piloto. Também foi marcante, segundo ele, porque foi sua última corrida para a Williams pois vai para a Mclaren em 2005. O piloto da Williams disse que a corrida foi muito desgastante fisicamente. "Se alguém quiser saber qual foi minha maior dificuldade devo dizer que foram as dores no pescoço porque não estamos acostumados à dirigir no sentindo anti-horário, e fazer curvas à esquerda." Kimi Raikkonen não encontrou muitos motivos para comemorar o segundo lugar na corrida. Segundo ele, não fosse um erro da McLaren no primeiro pit stop ele teria vencido. Fora isso, a falha da escuderia na hora de liberá-lo na troca de pneus, que rendeu um emparelhamento na reta dos boxes com Montoya, fez com que fosse multado em US$ 10 mil. O finlandês, no entanto, usou seu famoso sangue frio para evitar críticas à equipe, que o prejudicou. "Estou realmente decepcionado com o que aconteceu", disse Raikkonen. "Sem os problemas que tive, teria vencido a corrida", lamentou. É a segunda vez que o piloto chega perto de vencer o Grande Prêmio do Brasil. No ano passado, o finlandês da McLaren chegou a comemorar a vitória no pódio em uma corrida que terminou uma volta antes do fim com bandeira vermelha por causa de acidente. Depois, no entanto, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) reconheceu que, segundo as regras que determinam que o que vale é a posição na volta anterior à bandeira, o vencedor foi Giancarlo Fisichella, da Sauber. Mas Raikkonen terá motivos para sorrir nos próximos dias. Com o fim da temporada, poderá finalmente ter sua lua-de-mel com a mulher, Jenny, com quem se casou há dois meses. O destino do casal, no entanto, não foi revelado nem mesmo para a imprensa finlandesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.