Montoya diz que pode vencer mais vezes

Juan Pablo Montoya finalmente desencantou. Depois de conquistar apenas um quarto lugar este ano, como melhor resultado desde sua transferência para a McLaren, o colombiano venceu neste domingo, com autoridade, o GP da Grã-Bretanha, em Silverstone. Liderou praticamente da largada à última volta. Mas o maior vencedor da 11.ª etapa da temporada foi Fernando Alonso, da Renault, de novo, que com o seu segundo lugar e o terceiro de Kimi Raikkonen, companheiro de Montoya, viu a diferença que o separa de Raikkonen na liderança do Mundial aumentar de 24 para 26 pontos (77 a 51). O sonho de Alonso é ser campeão do mundo em Spa-Francorchamps, na Bélgica, seu circuito favorito. O resultado de hoje o coloca em condições muito boas de realizar seu sonho dia 11 de setembro, na 16.ª prova do ano, como deseja. Mas quem fez festa mesmo, hoje, foi Montoya. "Ahhh...", pronunciou, rindo, como quem diz "que alívio." A pressão em cima do colombiano era grande. Afinal, Raikkonen já havia sido primeiro três vezes, duas segundo e uma terceiro. E tudo o que Montoya conseguira era um quarto lugar. "Acho que posso ganhar mais corridas daqui para a frente", afirmou Montoya. Comentou que a equipe trabalhou muito para mudar o comportamento do modelo MP4/20, bem mais ajustado ao estilo de pilotar de Raikkonen que o seu. "Desde a etapa de Ímola modificações vêm sendo introduzidas no carro para adaptá-lo às reações que gosto, saindo menos de frente. Só agora estou podendo buscar o limite do MP4/20." A manobra-chave da vitória deu-se na largada. "Sabia que teria de contornar as primeiras curvas na frente de Alonso. Ele tinha muito mais a perder que eu se batesse e por isso não tirei o pé do acelerador" contou Montoya. "Deu certo, o ultrapassei e tudo ficou menos difícil." Alonso era o pole position e o colombiano o terceiro no grid. Deixou para trás, também, na largada, Jenson Button, da BAR, quinto colocado, hoje. Nos dois pit stops que tanto Montoya quanto Alonso fizeram, o piloto da McLaren teve de dar tudo o que tinha para manter-se na frente. "A equipe me chamou uma volta antes do programado para o segundo pit stop (44.ª volta), escolha decisiva, pois deixei o tráfego para meu adversário." Alonso atribuiu a esse fato a perda da vitória. "Fiquei atrás de Jarno Trulli (Toyota), para lhe impor uma volta, mas ele não tem culpa de me segurar. Os comissários não agitaram a bandeira azul para avisá-lo." Flavio Briatore, diretor da Renault, ficou louco da vida com o comportamento dos comissários. Montoya conseguiu cruzar a saída do box, pela pista, pouco antes de Alonso sair deixar a área. O mais importante, na visão de Alonso, é que em nenhum momento imaginou que seu carro pudesse igualar a performance da McLaren em Silvertone. "É a grande notícia para mim, além de Kimi ter se classificado atrás novamente." Ao contrário de Briatore, que já o vê como mais que provável campeão, Alonso não quer saber dessa história. "Eu posso abandonar duas, três etapas e tudo muda de novo. Ainda não tive quebras, mas elas ocorrem e fazem parte do automobilismo." Disse mais: "Meu adversário (Raikkonen) tem carro para vencer as provas." Prudência à parte, a matemática já joga amplamente a favor de Alonso. Restam apenas 8 etapas para o encerramento da temporada e sua vantagem é significativa. A diferença de pontos atribuídos do primeiro para o segundo colocado é de apenas 2 pontos (10 e 8). "A cada dia está ficando mais e mais difícil para mim. Não fossem os muitos problemas que me têm atrapalhado está claro que eu lutaria mais diretamente pelo título", admitiu o finlandês. Na França, há duas semanas, e em Silverstone, Raikkonen teve motores quebrados nos treinos, o que o levou a perder 10 colocações no grid. Hoje, na 60.ª e última volta, registrou o melhor tempo do GP da Grã-Bretanha, 1min20s502. "Não tinha mais o que fazer por isso exigi tudo de meu carro." Alonso estava 11 segundos à sua frente. Michael Schumacher, Ferrari, terminou em sexto e Rubens Barrichello, seu companheiro, em sétimo. "Andamos para trás", definiu o alemão. A próxima etapa será no circuito de Hockenheim, na Alemanha, dia 24, onde costuma fazer mais calor que os 28 graus de hoje em Silverstone. Pode ser outra prova difícil para a Ferrari. Felipe Massa, da Sauber, obteve o 10.º lugar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.