Montoya é pole; Rubinho larga em 3º

A Fórmula 1 já está se acostumando: Juan Pablo Montoya, da Williams, deu outro show neste sábado no circuito Nevers-Magny-Cours e conquistou a pole position do GP da França, a quinta consecutiva. Michael Schumacher e Rubens Barrichello, da Ferrari, tentaram de tudo para ficar com a primeira fila, afinal a corrida, neste domingo, pode definir o campeonato para o alemão, mas não deu. Schumacher larga em segundo e Barrichello em terceiro. O forte calor e a eficiência dos pneus Michelin, usados pela Williams e McLaren, foram decisivos no resultado. A prova pode ser a mais disputada da temporada, já que os tempos foram muito próximos.A cada tentativa, Montoya, Schumacher e Barrichello melhoravam alguns centésimos e um ultrapassava o outro, num belo espetáculo. Não se podia mesmo afirmar quem ficaria com a pole. E a exemplo das quatro sessões de classificação anteriores, Montoya demonstrou sua extraordinária velocidade e venceu Schumacher por 23 centésimos de segundo. "Eu não esperava esse resultado. Tive vários problemas de equilíbrio no carro pela manhã", disse o colombiano. "Mexemos bastante no acerto e minha Williams tornou-se impressionantemente veloz. Na última curva, na última volta, eu ainda virei o volante um pouco antes da hora e quase perco minha ótima volta." O GP da França tende a ser, mais do que nas outras etapas, uma disputa entre os dois fabricantes de pneus da Fórmula 1, Bridgestone, marca usada pela Ferrari, e Michelin. "Demos um grande passou adiante", definiu Montoya com relação aos pneus desenvolvidos pelos franceses. "O mais importante é que nos testes que fizemos, em condição de corrida, esses pneus mostraram-se bem mais constantes, o que nos faltou até agora." Desde o GP de Mônaco a Michelin tem produzido pneus mais moles que os da Bridgestone, que mostram-se mais rápidos nos treinos, mas menos resistentes e constantes durante a corrida.Schumacher comentou ter se divertido muito com a luta intensa pela pole. Ele chegou a cometer alguns erros, a exemplo de outros treinos. A evolução de Barrichello está fazendo o alemão buscar seus limites também. "Acho que as coisas aqui serão diferentes. Imagino uma luta cerrada pelo primeiro lugar, ainda que o que cada um pode, de fato, realizar na corrida não tenha ficado muito claro." Apesar de ele e Barrichello serem os únicos com pneus Bridgestone dentre os nove primeiros, Schumacher não acredita numa vantagem muito grande dos franceses hoje, como ocorreu na Malásia e Ralf Schumacher, da Williams, venceu com facilidade.Como vem afirmando desde sexta-feira, Schumacher reiterou neste sábado que não planejou nada com Ross Brawn, diretor-técnico e estrategista da Ferrari, sobre combinações de resultados que o levem a definir o título já neste domingo. "Vou correr como sempre, visando vencer. Depois vamos ver o que acontece." Chama a atenção como a proximidade de obter uma conquista histórica não mexe com a rotina ou as emoções do alemão. Ao menos que seja um grande artista e esteja disfarçando bem. Parece que nada está acontecendo para ele.A McLaren também aproveitou-se da boa adaptação dos pneus Michelin à pista, ao menos na classificação, e colocou seus carros bem próximos de Montoya e Schumacher. Kimi Raikkonen obteve o quarto lugar e David Coulthard o sexto, mas com marcas bem mais próximas dos primeiros. Raikkonen ficou a apenas 259 milésimos de Montoya. "Essa é a minha melhor colocação no grid até agora", disse o finlandês. "Mas estou frustrado porque se não tivesse errado na primeira parte da pista teria o segundo tempo." Coulthard definiu o resultado como "encorajante." A McLaren, com a ajuda da Michelin, deverá ser mais competitiva hoje, segundo o escocês.O grid do GP da França apresentou três blocos definidos. No primeiro estão os sete primeiros colocados. De Montoya a Jenson Button, da Renault, sétimo, a diferença é de apenas 776 milésimos de segundo. Do oitavo, Jarno Trulli, da Renault, ao 17.º, Alan McNish, da Toyota, há somente 919 milésimos de segundo. Nesse bloco encontra-se Felipe Massa, da Sauber, 12.º neste sábado. Já Enrique Bernoldi não irá disputar a prova porque a Arrows tem graves problemas financeiros. No último bloco estão os pilotos da Minardi.Giancarlo Fisichella, da Jordan, sofreu grave acidente na sessão da manhã, sábado, e não participou da classificação e tampouco corre neste domingo.Na saída da veloz curva Estoril ele colidiu com o violência nos pneus, depois de perder o aerofólio dianteiro. A elevada desaceleração a que foi exposto lhe causou fortes dores de cabeça e no pescoço. O doutor Sid Watkins, médico da Fórmula 1, o proibiu de correr. Apenas 19 pilotos disputam neste domingo a 11.ª etapa do campeonato, em 72 voltas, que terá transmissão ao vivo da TV Globo, a partir das 9 horas.Veja o grid do GP da França:1 - Juan Pablo Montoya (COL) Williams 1:11.985 2 - Michael Schumacher (ALE) Ferrari 1:12.0083 - Rubens Barrichello (BRA) Ferrari 1:12.197 4 - Kimi Raikkonen (FIN) McLaren 1:12.244 5 - Ralf Schumacher (ALE) Williams 1:12.424 6 - David Coulthard (ESC) McLaren 1:12.4987 - Jenson Button (ING) Renault 1:12.7618 - Jarno Trulli (ITA) Renault 1:13.0309 - Eddie Irvine (ING) Jaguar 1:13.188 10 - Nick Heidfeld (ALE) Sauber 1:13.37011 - Olivier Panis (FRA) BAR 1:13.45712 - Felipe Massa (BRA) Sauber 1:13.50113 - Jacques Villeneuve (CAN) BAR 1:13.506 14 - Takuma Sato (JAP) Jordan 1:13.54215 - Pedro de la Rosa (ESP) Jaguar 1:13.656 16 - Mika Salo (FIN) Toyota 1:13.83717 - Allan McNish (ING) Toyota 1:13.949 18 - Mark Webber (AUS) Minardi 1:14.80019 - Alex Yoong (MAL) Minardi 1:16.798 Fora do gridHeinz-H. Frentzen (ALE) Arrows 1:18.497Enrique Bernoldi (BRA) Arrows 1:19.843

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.