Montoya não viu a chegada de Heidfeld

Juan Pablo Montoya, da Williams, disse ter tido muita sorte no acidente entre Takuma Sato e Nick Heidfeld. "Nick passou na minha frente, incrível, sem que eu soubesse quem era, a milímetros do meu carro e ouvi um enorme estrondo." Só na passagem seguinte, 28ª, compreendeu que o barulho proveio da colisão de Heidfeld com o japonês da Jordan. Peter Sauber, sócio da Sauber, foi um dos primeiros a procurar o hospital do autódromo, para saber de Sato. Seu piloto, Heidfeld, havia deixado o carro por conta própria. Só bem depois Eddie Jordan se dirigiu para lá. Comentário na sala de imprensa, para justificar a demora de Eddie Jordan em saber do seu piloto. "Lá não havia como ele ganhar dinheiro." Eddie Jordan sabe que perderá o motor Honda no fim do ano. Os japoneses ficarão só com a BAR, que está sendo reestruturada. Eddie já conversa com a Ford e até com a Ferrari. Os italianos se prepararam para fornecer um terceiro time, além da Sauber, que seria a Prost, mas que faliu. A Ford é, neste instante, a hipótese mais provável para a escuderia do contestado irlandês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.