Montoya vence de novo após 1 ano

O pai, Pablo, nunca perdeu uma única corrida do filho, Juan Pablo Montoya. Por esse motivo, como o próprio piloto comentou, "nada mais justo que minha primeira vitória na Fórmula 1 seja no dia do seu aniversário." O colombiano da Williams conseguiu mostrar, neste domingo em Monza, um pouco do talento que o levou a ser campeão da Fórmula Indy em 1998 e com uma incrível coincidência: "Hoje faz exatamente um ano que venci pela última vez na Indy", lembrou. Rubens Barrichello, da Ferrari, desenvolveu um dos seus melhores trabalhos na equipe ao classificar-se em segundo. "Não fosse os 6 segundos perdidos no primeiro pit stop acho que ganharia a corrida." Depois dos GPs de Mônaco e do Canadá, Montoya começou a sentir saudades dos Estados Unidos, onde com o carro da escuderia Chip Ganassi invariavelmente largava com boas chances de vencer. "Cometi dois erros que, no fundo, serviram de grande ensinamento", falou. Frank Williams o chamou para uma conversa e cobrou-lhe que concluísse as provas, evitasse novos acidentes. O puxão de orelhas acabou sendo muito útil.Depois das etapas de Mônaco e de Montreal não abandonou uma única etapa por cometer novos erros. "Para ser sincero, eu não esperava estabelecer três pole positions e ganhar um GP na minha temporada de estréia na Fórmula 1." Tudo isso aconteceu em seguida a sua posição na Williams, em 2002, passar a correr riscos.A corrida de Montoya, neste domingo, foi menos fácil do que pareceu. "Perdi o primeiro lugar para Rubens (na nona volta, na saída da Variante della Roggia) porque formaram-se bolhas nos meus pneus traseiros e cometi um pequeno erro." Ele reclamou ainda de uma modificação decidida em conjunto com seus técnicos, pouco antes do pit stop único, na 28ª volta de um total de 53. Rubinho optou por duas paradas. "Os mecânicos abaixaram dois pontos a altura do aerofólio dianteiro. Foi muito, nas quatro ou cinco voltas seguintes minha Williams saía demais de frente." Para sua sorte, a Ferrari demorou 16,3 segundos na primeira parada de Rubinho (volta 19), e Ralf Schumacher, seu companheiro, terceiro no GP da Itália, em nenhum momento mostrou-se veloz como ele. Não é tudo: Michael Schumacher, da Ferrari, quarto colocado, pela primeira vez não quis nada com nada numa prova de Fórmula 1. O alemão chegou a liderar um movimento para que não houvesse ultrapassagens nas duas primeiras chicanes, Del Rettifilo e della Roggia, depois da largada, o que acabou não dando certo. O colombiano retomou a liderança do GP da Itália quando Rubinho fez seu segundo pit stop, na 41ª volta.Desde que seja possível, Montoya deseja disputar o GP dos Estados Unidos, dia 30, próxima etapa do calendário. "Se a corrida de fato existir, não vejo nenhum problema em competirmos em Indianápolis." O colombiano até defendeu a prova. "Não há nada que possamos fazer em relação ao que aconteceu na América." Falou mais: "A última vez que corri em Indianápolis sai de lá com uma vitória e agora minha Williams deve me permitir lutar pelo primeiro lugar de novo." Montoya ganhou as 500 Milhas de Indianápolis ano passado, depois de um disputa impressionante com Michael Andretti. Os dois percorreram a reta que antecede a bandeirada lado a lado, a cerca de 380 km/h.A exemplo do que já havia acontecido no GP da Alemanha, em Hockenheim, traçado semelhante ao de Monza, a equipe McLaren colecionou novo desastre no campeonato. O motor Mercedes de David Coulthard ofereceu um espetáculo pirotécnico à torcida ainda na 6ª volta, quando era quinto, enquanto Mika Hakkinen ficou sem poder trocar as marchas na 19ª volta, instante em que ocupava a décima colocação. Agora a Williams, com 73 pontos, ameaça seriamente a vice-liderança da McLaren, 81, entre os construtores. E Coulthard, com 57 pontos, viu sua segunda colocação entre os pilotos ficar também em xeque, já que Rubinho soma 54 e Ralf, 48.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.