Morte de Dale é a quarta em 9 meses

Uma tragédia no domingo abalou a Nascar pela quarta vez nos últimos nove meses, quando o heptacampeão da Copa Winston (a divisão principal da Nascar), Dale Earnhardt, morreu em conseqüência de um choque frontal a 250 quilômetros por hora contra o muro de contenção na Curva 4, na última volta do Daytona 500 Milhas, no Autódromo Internacional de Daytona - o legendário piloto, conhecido como "o Intimidador" pela sua agressividade na pista, detinha o recorde do circuito com 34 vitórias.No domingo Michael Waltrip, companheiro de equipe de Dale Earnhardt, conquistou sua primeira vitória na carreira - depois de 463 largadas. Dale Earnhardt Jr. foi o segundo colocado. Foi uma fatalidade na prova de abertura da temporada da Nascar, um grande prejuízo para um esporte que sofreu com a perda de três pilotos no ano passado, dois no prazo de oito semanas no Autódromo Internacional de New Hampshire."Hoje a Nascar perdeu seu maior piloto na história do esporte", declarou o presidente do conselho da categoria, Bill France Jr. "E eu perdi um amigo querido". Earnhardt, de 49 anos, nascido em Kannapolis, Carolina do Norte, morreu em conseqüência dos ferimentos na cabeça causados pelo impacto que, segundo um médico de pista, "vimos como fraturas cranianas". Ele foi transportado imediatamente para o Halifax Medical Center, onde foi declarado morto às 17h16. Nesta segunda-feira seria realizada uma autópsia pelo médico-legista do condado de Volusia para determinar a causa da morte.Bandeira recolhida"Este é sem dúvida um dos comunicados mais difíceis que já tive de fazer", disse o presidente da Nascar, Mike Helton, que fez a declaração oficial para os jornalistas pouco antes das 19h, cerca de uma hora após a bandeira, que fica dentro do campo de Daytona, ter sido baixada a meio-pau.Earnhardt foi o piloto que mais faturou com a Nascar: calcula-se que tenha ganhado US$ 41 milhões em prêmios, além de conseguir anualmente essa mesma cifra em patrocínios.Os ferimentos fatais de Earnhardt parecem coincidir com as lesões sofridas pelo piloto da Série Busch, Adam Petty, que morreu em conseqüência de um choque com o muro da Curva 4 no NHIS em Loudon, New Hampshire, em 12 de maio do ano passado, e pelo piloto da Copa Winston, Kenny Irwin, que morreu no NHIS de 7 de julho em circunstâncias estranhamente semelhantes às de Petty.Enquanto os investigadores da Nascar não chegam a uma prova conclusiva sobre a causa dos dois acidentes, foi levantada a hipótese de que ambos sejam resultantes de acelerador preso.Tony Roper também morreu de trauma na cabeça em 13 de outubro, após colidir contra um muro durante a corrida da Nascar Crafstman Truck Series no Autódromo do Texas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.