Mosley não está cima da Lei, diz CE

Em resposta às declarações do presidente da FIA, Max Mosley, de que é séria a ameaça de as equipes recusarem-se a correr na Europa, Antonio Vitorino, comissário de Justiça da Comissão Européia (CE), disse, hoje, através do assessor: "Max Mosley não está acima da lei, a nova legislação se aplica a todos os cidadãos." Desde 1.º de janeiro está em vigor em 8 dos 15 países da União Européia (UE) uma nova lei que facilita bastante as extradições de presos e a partir de 1.º de março mais nações a adotarão. Espanha, Grã-Bretanha, França, Alemanha, Bélgica e Itália acataram a legislação e fazem parte do calendário da Fórmula 1. Para que se tenha uma idéia do que isso significa, se a justiça italiana emitir um mandado de prisão para Adrian Newey, projetista do carro em que morreu Ayrton Senna, em Ímola, já que o caso foi reaberto, pela nova lei a possibilidade de seu país de origem, Inglaterra, não aceitar a decisão é bem mais restrita. Esse é o temor dos responsáveis pelas equipes: serem presos se, por exemplo, houver um acidente fatal com um de seus pilotos, se a justiça local assim determinar. "A menos que os proprietários das escuderias recebam garantias de que não serão processados, não vão assumir os riscos de se apresentarem nesses países", falou Mosley. Hoje o dirigente comentou a declaração de Vitorino: "Evidentemente ele não não soube ainda que um dos governos europeus já confirmou que os dispositivos da nova lei não se aplicam ao esporte." A realidade é que a Fórmula 1 não pode prescindir de competir na Europa, sede das suas 10 equipes e onde estão programadas 10 das 18 etapas do Mundial. Por outro lado, com o texto final da lei já há muito definido, parece ser impossível qualquer revisão a esta altura. "O debate a respeito da lei encerrou-se há algum tempo, os chefes da F-1 estão acordando um pouco tarde", revelou Vitorino. Mas apesar da ameaça de Mosley e da posição de indiferença da UE, com certeza se chegará a um acordo e os 10 países da Europa que recebem a F-1 poderão promover seu evento. Testes - A dupla da Williams, Ralf Schumacher e Juan Pablo Montoya, com o novo modelo FW26, foi novamente a mais veloz hoje em Barcelona. Ralf completou 64 voltas e na melhor fez 1min15s620. Rubens Barrichello trabalhou com a Ferrari F2003-GA e marcou 1min16s026 (67 voltas), quarto tempo. Com a nova Sauber C23, Felipe Massa deu 89 voltas. Ficou em 8.º, com 1min17s539. Cristiano da Matta teve menos dificuldades com o novo Toyota TF104 e percorreu 79 vezes o Circuito da Catalunha, sendo a melhor volta em 1min17s696, o 9.º. A McLaren prosseguiu seus treinos, sozinha, em Valência, com Kimi Raikkonen e David Coulthard.

Agencia Estado,

21 de janeiro de 2004 | 19h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.