Mosley se diz vítima de conspiração em escândalo sexual

O presidente da Federação Internacionalde Automobilismo (FIA), Max Mosley, que luta para manter seuposto depois de um escândalo sexual, defendeu seu comportamentoneste sábado e afirmou que era "vítima de uma conspiraçãonojenta." Numa carta que a Reuters teve acesso no GP de Barein, eendereçada a Peter Mayer, chefe do Clube de Automobilismo ADAC,da Alemanha, o presidente da FIA afirmou que suas ações foram"inofensivas e completamente legais." A carta também circulou entre todos os membros da FIA, bemcomo o Conselho e o Senado da entidade. "Se eu tivesse sido pego dirigindo em alta velocidade numarua pública ou bêbado (mesmo na Suécia, onde o limite é bembaixo), eu renunciaria no mesmo dia", disse Mosley, de 67anos. "O tablóide obteve de forma ilegal fotografias de algo quefiz privativamente que, apesar de inaceitável para algumaspessoas, foi inofensivo e completamente legal", afirmou. "Muitas pessoas fazem coisas em seus quartos ou têm hábitospessoais que outros podem achar repugnantes. Mas desde quemantenham o assunto em privado, ninguém se opõe."Mosley está processando o tablóide dominical britânico The Newsof the World por danos ilimitados por ter publicado no últimofim de semana revelações sobre o seu envolvimento numa orgiasadomasoquista com prostitutas. O porta-voz do jornal, Hayley Barlow, afirmou numcomunicado que o News of the World mantém a história e vai"defender-se vigorosamente de todas as ações legais trazidaspelo sr. Mosley." Mosley, cujo pai Oswald fundou a União Britânica deFascistas antes da 2a Guerra Mundial, negou qualquer conotaçãonazista de suas ações. CONSPIRAÇÃO NOJENTA Montadoras alemães e japoneses com equipes na Fórmula 1 ealgumas federações automobilísticas convocaram Mosley paradepor. A ADAC divulgou um comunicado na sexta-feira advertindoMosley "para cuidadosamente considerar sua posição." "A ofensa parece ser não o que eu fiz, mas o fato de tervindo a público", afirmou Mosley em sua carta. Ele recebeu oapoio de 20 clubes da FIA. "Eu fui vítima de uma conspiração nojenta. O dito elementonazista é pura fabricação. Isso será esclarecido quando oassunto chegar aos tribunais. O jornal inventou isso paraapimentar sua história e lembrar o passado de minha família."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.