Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Museu Fittipaldi tenta reaver carros penhorados na Justiça

Piloto tem dívida de mais de R$ 27 milhões no TJ-SP

Igor Ferraz, O Estado de S. Paulo

08 de abril de 2016 | 17h17

Os carros de corrida do piloto Emerson Fittipaldi, penhorados pela Justiça na última semana, estão tentando ser reavidos pelo Museu Fittipaldi. Nesta sexta-feira, a instituição entrou com um embargo de terceiro para tentar retomar a posse dos veículos na Justiça.

Juridicamente, um embargo de terceiro significa uma medida processual que tem a intervenção de uma terceira pessoa (no caso, o Museu Fittipaldi) em um processo que se encontra em curso. No caso, o banco ABC Brasil é o autor da ação da penhora e a empresa EF Marketing, de Emerson, é o alvo do mandado judicial.

O argumento utilizado pela equipe de Fittipaldi é o de que os carros, taças e demais objetos levados do escritório são de propriedade do Museu, e não da EF Marketing ou da pessoa física de Fittipaldi. Os objetos foram doados pelo próprio Emerson ao museu na época de sua criação, em 2003. Agora, o pedido do advogado do piloto será recebido e analisado por um juiz, que definirá o mérito da decisão.

Além dos carros e taças, outros objetos foram levados do escritório de Fittipaldi no dia 30 de março, tais como quadros, computadores e até cadeiras. Os carros apreendidos, como o Copersucar 1976 (primeiro carro brasileiro de Fórmula 1), e o Penske #20 estão em um galpão próximo ao Autódromo de Interlagos.

No Tribunal de Justiça de São Paulo, há cerca de 60 ações contra Fittipaldi, totalizando mais de R$ 27 milhões em dívidas. Também na semana passada, após a penhora, o piloto foi considerado em situação de falência, por ser um devedor que não teria como saldar suas dívidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.