Bazuki Muhhamad/Reuters
Bazuki Muhhamad/Reuters

Na China, Ferrari terá motores usados no GP do Bahrein

Apesar do superaquecimento dos propulsores no circuito de Sakhir, escuderia afirma que motores estão aptos para a prova de Xangai

AE, Agência Estado

13 de abril de 2010 | 11h43

A Ferrari confirmou, nesta terça-feira, que o brasileiro Felipe Massa e o espanhol Fernando Alonso irão usar no GP da China, no próximo domingo, os mesmos motores utilizados na prova de abertura do Mundial de Fórmula 1, no Bahrein, mesmo com o fato de os propulsores terem sofrido com problemas de superaquecimento na corrida disputada no circuito de Sakhir.

Veja também:

linkMassa se diz ansioso por novas mudanças na Ferrari

Após o prova do Bahrein, a Ferrari optou por usar novos motores no GP da Austrália, corrida seguinte da temporada, tendo em vista o calor esperado para Melbourne. Na China, porém, a previsão é de um clima mais ameno.

Luca Marmorini, chefe de motores e da parte eletrônica da Ferrari, afirmou nesta terça-feira, em entrevista publicada no site oficial da escuderia italiana, que os motores foram revisados para a prova da China.

"Como precaução, optamos por não usar os motores da corrida no Bahrein no GP da Austrália, mas eles serão utilizados na China. Após uma revisão, eles estão aptos para a prova, apesar do superaquecimento em Sakhir. O circuito de Xangai não é muito exigente para os propulsores, apesar de ter uma longa reta. Mas a temperatura não é muito alta, o que facilita muito o trabalho", afirmou Marmorini.

O integrante da chefia da Ferrari também ressaltou que o motor de Alonso acabou estourando no GP da Malásia, no final da prova passada do Mundial, provavelmente por causa da forma pela qual foi exigido pelo espanhol. "Em Sepang, o motor de Fernando sofreu uma falha estrutural, de um tipo que nunca vimos na pré-temporada. Acreditamos que foi um defeito provocado pela maneira incomum que ele teve de usar o motor, graças aos problemas para engatar as marchas enfrentados desde o começo da corrida", explicou.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1FerrarimotoresGP da China

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.