Na Europa, F-1 volta à normalidade

As duas equipes que foram sensação nas três primeiras etapas do campeonato, McLaren e Renault, ficaram muito para trás no treino desta sexta-feira. E não deram indícios de que poderão ser tão competitivas como na Austrália, Malásia e Brasil. "A Fórmula 1 está voltando à normalidade na Europa", disse Michael Schumacher ao analisar a situação, como que dizendo que a Ferrari está onde deveria estar, na frente. Mas com a possibilidade de chuva e a maior adaptação dos pneus Michelin ao novo regulamento, é possível que a ordem de forças sugerida nesta sexta-feira mude de novo. McLaren, Williams e Renault correm com os pneus franceses, quanto a Ferrari, com Bridgestne. "Estou bastante contente em ver como minha Williams está melhor", afirmou Ralf Schumacher.Enquanto nas corridas anteriores a McLaren e a Renault mostraram-se mais rápidas que a Williams, em Ímola o time de Ralf e Juan Pablo Montoya deve assumir o papel das duas. Montoya reclamou um pouco de seu FW25 sair de traseira, mas como Ralf reconheceu o avanço da escuderia.Já na McLaren tanto Kimi Raikkonen quanto David Coulthard, primeiro e segundo na classificação do campeonato, disseram que no GP de San Marino as coisas podem ser um pouco mais difíceis que até agora. "Mas nossa diferença para a a Ferrari (mais de 1,5 segundo) não é a que vimos hoje", afirmou Raikkonen. Ron Dennis, diretor da McLaren, atribuiu as enormes diferenças impostas por Schumacher ao fato de seus pilotos testarem os tipos de pneus a sua disposição e não preocuparem-se com o acerto do carro."Sabíamos já que não seríamos tão rápidos aqui como na outras etapas", falou o piloto sensação da temporada, Fernando Alonso, da Renault, apenas 13.º nesta sexta. "Temos mais tempo para trabalhar o carro e penso ser possível melhorarmos bem nossa posição no grid, mas não espero demais aqui." Os problemas da Renault começaram no treino extra da manhã desta sexta. Nas duas horas a mais que o time tem em relação aos demais, exceto Jordan, Jaguar e Minardi, que também optaram por esse treino em troca de menos testes particulares, a Renault vinha construindo sua vantagem. Nesta sexta os carros de Jarno Trulli e Alan McNish, piloto de testes, apresentaram problemas e a equipe tinha bem menos dados para ajustar seus chassis ao circuito. Trulli ficou em 16º.Mas enquanto McLaren e Renault andaram para trás, ao menos na sexta, a Jaguar mostrou que o desempenho de Mark Webber em Interlagos não foi obra do acaso. O competente australiano estabeleceu o quinto tempo, na frente por exemplo da dupla da McLaren, oitavo Raikkonen e nono Coulthard. "O fim de semana não poderia ter começado melhor para mim", falou Webber, ao lado de Alonso os melhores novatos até agora. Já Antonio Pizzonia, companheiro de Webber, enfrentou problemas no carro e assumiu parte da responsabilidade por ter sido apenas o 15.º."Em razão dos problemas com o motor, de manhã, treinei pouco e não pude realizar nenhuma volta com o acerto de classificação", disse."Quando sai para minha volta lançada vi que o carro se comportava de forma bem diferente com pneus novos e tanque quase vazio." Mas foi sincero: "Eu também tenho de ganhar mais experiência para essas voltas rápidas." Cristiano da Matta, da Toyota, 18º, também cometeu um erro na volta lançada. "Tem gente com muita vitória aí que errou bem mais que eu. Tenho um crédito ainda." O companheiro de Toyota, Olivier Panis, foi 12º.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.