Na F-1, alimentação é um outro desafio

Alimentar pilotos e integrantes das equipes de Fórmula 1 é um verdadeiro desafio para os cozinheiros que trabalham nas equipes. Além de precisarem contentar pessoas de diferentes lugares do mundo com seus particulares hábitos alimentares, outra dificuldade é comprar alimentos nem sempre são fáceis de encontrar em supermercados brasileiros. A BAR é um exemplo clássico das contradições alimentares. De um lado, estão os integrantes da equipe de origem inglesa e australiana, cuja dieta é composta de batata e carnes. Do outro, os profissionais japoneses que cuidam do funcionamento do motor Honda utilizado pela equipe que não dispensam sushis e sashimis do cardápio. Para atender a todos, a cozinheira Joanne Pinkstone se desdobra. ?Realmente não é fácil. Preciso fazer sempre dois tipos de comida além da dieta especial dos pilotos, que pede muito carboidrato." No Brasil, segundo a cozinheira da BAR, não é tão difícil encontrar os ingredientes, mas a equipe não abre mão da qualidade em alguns ítens. ?Geralmente trazemos o vinho de fora, além do chocolate, que aqui tem um gosto totalmente diferente do da Inglaterra." Outro ítem indíspensável, segundo Joanne, são os cereais. ?O gosto é diferente aqui no Brasil, mas o pessoal aprova." Na Ferrari, o GP do Brasil marca a ausência do fundamental queijo parmesão italiano. As complexas regras de importação e a dificuldade de conservação do produto sob forte calor fizeram com que os cozinheiros optassem por similar nacional. Para combinar, muita massa italiana - facilmente encontrável nos supermercados. Michael Schumacher e Rubens Barrichelo, por exemplo, não dispensam uma pasta ao pomodoro. Porém nem tudo é fácil para o cozinheiro da Ferrari que precisa de perícia para encontrar grapefruits para suco em lojas especializadas em frutas exóticas esta época do ano. Cristiano da Matta diz que reivindicou do pessoal da Toyota uma mudança na dispensa. ?Geralmente quando estou no autódromo gosto de comer frango, que é de fácil digestão. Mas o pessoal daqui só fazia pasta, pasta, pasta...Aí um dia eu reclamei", contou o piloto, que já não aguenta. ?O caso é que sou solteiro em, em casa, só sei cozinhar macarrão. Então é duro você sair e comer a mesma coisa." Na Jordan, além das massas - unanimidade em todas as equipes - a dieta também é composta de muita carne e peixe. Segundo informação da escuderia, os peixes brasileiros têm boa aceitação entre os integrantes da equipe. Frutas exóticas, como carambola, também. Entre os líquidos, um ítem é fundamental: bebida energética.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.