Na F-1, mudanças não surpreendem

A recusa dos representantes das equipes em aceitar as mudanças radicais sugeridas por Max Mosley e Bernie Ecclestone não surpreendeu a maioria dos profissionais da Fórmula 1. "Eu nunca acreditei nelas", disse hoje Felipe Massa, que correu este ano pela Sauber, enquanto se preparava para treinar para as 500 Milhas de Kart da Granja Viana, em Cotia. "As pessoas não falavam sobre essa mudanças com seriedade na Fórmula 1." Já Nelson Piquet, três vezes campeão do mundo, comentou que a permissão para a Michelin desenvolver pneus para a Williams e a McLaren, em separado, como fez a Bridgestone com a Ferrari este ano, pode diminuir a diferença de desempenho dos italianos para as duas. "Fez todo sentido." Piquet gostou também da nova forma de definição do grid. "Interessante." Mas há quem esperava muito mais da Comissão de Fórmula 1, como Emerson Fittipaldi, campeão em 1972 e 1974. "Achei que as mudanças seriam bem maiores. Elas não devem alterar muito o atual quadro da Fórmula 1." Como Massa, o curitibano Enrique Bernoldi, ex-piloto da Arrows nesta temporada, comentou que aguardava mesmo a manutenção do regulamento técnico. Mas elogiou bastante as mudanças no sistema de pontuação e na disputa da classificação. "Competi por um time pequeno e sei das dificuldadades, para não dizer impossibilidade, de marcar um ponto. Agora as chances serão maiores, o que é imprescindível para elas." O piloto será privilegiado com apenas uma volta lançada na tomada de tempo. "Vamos ver quem é bom mesmo." A questão dos pneus Bernoldi disse ter sentido na pela. "A Bridgestone fazia os pneus específicos para a Ferrari, muito eficientes, mas os mesmos pneus no nosso carros não podiam mesmo funcionar." Para o especialista em marketing esportivo, José Carlos Brunoro, o simples fato de a direção da Fórmula 1 ter alterado pontos do regulamento que há muito os times médios e pequenos defendiam representa "um grande avanço." Ele comentou: "O fato abre a perspectiva de novas discussões para outras mudanças em 2004." Brunoro acredita que o lastro seria benéfico para a competição, assim como o tempo no grid definido pela média dos tempos nas duas sessões de classificação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.