Na lanterna da F-1, Williams vê projetista chefe se demitir após 12 anos no cargo

Equipe tem realizado mudanças entre o corpo técnico nos últimos meses

Estadão Conteúdo

10 Maio 2018 | 13h10

Um dia antes de ver os seus pilotos iniciarem os treinos livres do GP da Espanha, em Barcelona, a Williams confirmou nesta quinta-feira, no palco da quinta etapa do Mundial de Fórmula 1, que o seu projetista chefe, Ed Wood, pediu demissão do cargo que ocupava há 12 anos.

+ FIA mantém punições a Sirotkin por incidente no GP do Azerbaijão

+ Após briga interna, dupla da Red Bull foca em novos componentes em Barcelona

+ Blog Conversa de Pista: WEC e F-1 se estranham atrás do guard-rail

Ele considerado é um nome de peso que deixa a tradicional equipe inglesa, que vem atravessando mudanças em seus quadros nos últimos tempos e amarga atualmente a lanterna do Mundial de Construtores da categoria, com apenas quatro pontos, atrás das outras nove equipes que compõem o grid da elite máxima do automobilismo.

Antes de ser contratado pela Williams em 2006, Ed Wood trabalhou para a Ferrari e para a Renault. E o time britânico afirmou nesta quinta, por meio de um comunicado, que o experiente profissional resolveu pedir demissão por "razões pessoais".

A saída de Wood acontece depois de Paddy Lowe, ex-integrante da Mercedes, ter sido contratado em 2017 pela Williams como novo diretor-técnico e Dirk de Beer deixar a Ferrari para assumir o posto de chefe de aerodinâmica da equipe inglesa. Depois disso, em fevereiro, o time ainda confirmou Doug McKiernan, que trabalhou pela McLaren por 16 anos, como diretor de engenharia que se reporta diretamente a Lowe.

E a Williams fez questão de exaltar o trabalho realizado por Wood nos últimos 12 anos e o agradeceu pelos serviços prestados. "Como projetista chefe, ele foi fundamental em muitos sucessos durante este tempo com a equipe, incluindo os carros FW36 e FW37 que garantiram o terceiro lugar do Mundial de Construtores em 2014 e 2015, respectivamente", destacou.

"A equipe gostaria de expressar sua gratidão a Ed pelo seu trabalho duro ao longo dos últimos 12 anos. Sua experiência, habilidade e paixão pela engenharia foram de enorme valor para a Williams", completou o comunicado.

Ex-parceiro do brasileiro Felipe Massa na Williams, o jovem canadense Lance Stroll, de apenas 19 anos, foi o responsável pelos quatro pontos somados pelo time nesta temporada, enquanto o russo Sergey Sirotkin, outro piloto titular da equipe, ainda luta para somar os seus primeiros pontos.

Mais conteúdo sobre:
Fórmula 1 Williams

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.