Na pole, Lewis Hamilton diz torcer por pista seca no domingo

Piloto inglês já havia liderado as sessões livres de sexta-feira, na pista seca do GP da Austrália de F-1

Agência Estado

15 de março de 2014 | 10h52

MELBOURNE - Apesar de ter conquistado a pole sob chuva em Melbourne, o inglês Lewis Hamilton está torcendo para ter pista seca durante o GP da Austrália, a corrida que vai abrir a temporada 2014 da Fórmula 1 neste domingo. Favorito, o piloto da Mercedes admite que sofreu para conseguir pilotar o novo carro sob tempo instável. "As condições estavam extremamente difíceis. Estes novos carros são difíceis de pilotar no molhado. E esta foi a primeira vez que pilotei o modelo nestas condições. Foi um desafio porque havia muita potência", dosse Hamilton. "Espero que o tempo fique melhor por causa dos fãs e também para nós".

Hamilton, que havia liderado as sessões livres de sexta-feira na pista seca, acredita que a chuva será um obstáculo a mais para as equipes da F-1, que já sofrem com a adaptação às mudanças técnicas da categoria. E admite que o principal objetivo da Mercedes ainda é completar a corrida.

"Neste domingo, a corrida será para terminar a prova. Todos ainda estão com este desafio. Será um desafio por causa do combustível e dos pneus. Será um processo de aprendizado. De jeito nenhum espero que encontremos alguma facilidade", disse o inglês, um dos mais cotados para ficar com o título nas casas de apostas.

Hamilton refere-se à possibilidade de os carros sofrerem pane seca por causa da redução da quantidade de combustível que cada veículo carregará nas corridas deste ano. Além disso, há a preocupação com a durabilidade dos novos pneus, ainda que a Pirelli tenha prometido compostos mais resistentes para este ano.

VANTAGEM DA MERCEDES

Diante destes fatores, Hamilton acredita ter ligeira vantagem sobre as equipes rivais, principalmente em relação ao australiano Daniel Ricciardo, que largará da segunda posição, logo ao seu lado no grid. "Ricciardo disse que ainda não fez nenhuma simulação de corrida (nos treinos). Nós já fizemos", afirmou.

Este diferencial poderá ajudar também o alemão Nico Rosberg, companheiro de Hamilton na Mercedes. Ele largará da terceira posição, de olho na colocação do piloto da casa. "Eu poderia ter ido melhor (no treino), mas está tudo bem. Sei que temos um carro rápido e, desta posição, será possível fazer uma boa corrida", disse o alemão.

Assim como Hamilton, Rosberg torce por tempo estável domingo. "Existe uma chance pequena de chuva, mas acho que a pista ficará seca. Neste ano, a corrida será totalmente diferente porque este circuito é um dos mais complicados em termos de consumo de combustível. Será difícil poupar, será um grande desafio."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.