Não há conspiração contra Rubens, diz Ross Brawn

Chefe da escuderia Brawn GP concede entrevista ao Estado e explica episódio no GP da Espanha

Lívio Orrichio, O Estado de S. Paulo

13 de maio de 2009 | 10h22

SÃO PAULO - Dois dias depois da polêmica vitória de Jenson Button no GP da Espanha, o proprietário e principal estrategista da equipe Brawn GP, o inglês Ross Brawn, mandou uma mensagem aos brasileiros que gostam de Fórmula 1 nessa entrevista exclusiva ao Estado: "Não há nenhuma conspiração contra Rubens. Tenho certeza de que ele vencerá várias corridas este ano."

Albert Gea/Reuters
Brawn tranquilo sobre decisão no GP da Espanha
Muita gente que acompanha as transmissões da Fórmula 1 está convencida de que Rubinho foi preterido na Brawn GP, domingo, como ocorreu no seu tempo de Ferrari. Afinal, liderava a competição no Circuito da Catalunha e tinha duas voltas a mais de autonomia de gasolina que Button antes do primeiro pit stop. Ou seja, a vitória estava nas suas mãos. Mas Ross Brawn mudou a estratégia do piloto inglês, de três para duas paradas, e Button venceu pela quarta vez. Rubinho foi segundo.

Veja também:

link Fry diz que Barrichello já esqueceu decepção na Espanha

video TV ESTADÃO - Brawn x Rubens Barrichello

tabela F-1: classificação do Mundial

especial Confira o calendário da temporada

especial ESPECIAL: jogue o Desafio dos Pilotos

ESTADO - Boa parte dos brasileiros acredita que você interveio na disputa para Jenson Button ganhar a corrida. O que você diz?

ROSS BRAWN - Infelizmente, essa foi a imagem que ficou, embora a realidade seja outra. Como já expliquei, a condição da prova nos mostrou que para Rubens, na liderança, três pit stops funcionariam, e até agora penso assim, mas para Jenson, atrás de Rubens, não. Sairia dos boxes atrás de Nico Rosberg, enquanto Rubens conseguiu ficar na sua frente depois do primeiro pit stop. A outra ameaça a Jenson era Sebastian Vettel, pois eu acreditava que ultrapassaria Felipe Massa no primeiro pit stop e teria pista livre para chegar em Jenson.

Quem decidiu a mudança?

A decisão foi minha. Recebi informações de nossos engenheiros e conclui que assim funcionaria melhor para Jenson.

Por que Rubinho só foi avisado de que Button mudou de três para dois pit stops depois de ele fazer sua parada?

A escolha da estratégia é da equipe, não do piloto. Somos nós que temos a visão global da corrida. O piloto deve concentrar-se na condução, apenas em condições especiais eles decidem. Depois do primeiro pit stop, Rubens ainda estava em condições de ficar na frente de Jenson. Como já disse, ele perdeu a corrida porque seus tempos pioraram com o terceiro jogo de pneus, depois do segundo pit stop.

O que aconteceu para, de repente, passar a ser 3 ou 4 décimos mais lento do que Button, enquanto era mais veloz até então?

Temos apenas algumas razões possíveis. Aqueles pneus tinham mais voltas que os dos outros jogos. No total, eram 6 diante de 3 dos demais. Com aquele jogo, Rubens havia feito uma saída na segunda parte da classificação (Q2) e uma na terceira (Q3). Mas nossa expectativa não era de queda tão grande. Outro fator foi a perda de um pedaço da carenagem, na parte posterior do carro, mas não comprometedora também. E vimos, ainda, que o chassi tocava o solo com mais força por causa da pressão um pouco mais baixa dos pneus. A telemetria mostrou que Rubens não conseguia ser rápido porque o carro se tornou instável, saía muito de frente.

Muitos pensam que sua equipe é inglesa, Button é também inglês e por isso foi favorecido.

Não há preferência no time. Nossa situação econômica é bem delicada e preferi Rubens a outros pilotos com atrativos comerciais altamente interessantes. Fiz isso por admirar Rubens. Conspirar contra ele seria conspirar também contra seu grupo de técnicos que, como ele, quer ganhar do grupo de Jenson. A disputa é limpa, justa. A única coisa que pedi até hoje a ambos é que não se toquem, não se coloquem para fora da pista.

O que você diria aos brasileiros que desconfiam da sua isenção?

Entendo sua paixão pela Fórmula 1, é a mesma de Rubens e da minha. O que aconteceu com Rubens não deixa de ser uma lição para nós, que talvez tenhamos de considerar ainda mais fatores na hora da estratégia. Trabalhei 10 anos numa equipe latina, sei o que é essa paixão. Tudo na equipe é aberto, transparente. Nos tempos de Ferrari era assim. Ele sabia daquela política nada popular. Portanto, antes da corrida, conhecia as regras. Vejo Rubens, agora, 100% à vontade no grupo. Ele tem uma grande oportunidade de se dar muito bem este ano. Tenho certeza de que Rubens vencerá várias corridas.

A Ferrari diz que não disputa o Mundial de 2010 se as regras impostas pela FIA não forem revistas. Você vai se inscrever?

Os ânimos estão muito acirrados, mas no encontro dos próximos dias da Fota com Max Mosley e Bernie Ecclestone encontraremos uma solução. Confio nisso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.