Luca Bruno/AP
Luca Bruno/AP

'Não sou mais tão amigo do Rubens', brinca Jenson Button

O brasileiro tem que tirar uma vantagem de 14 pontos para o inglês para ficar com o título da Fórmula 1

Milton Pazzi Jr., Agencia Estado

15 de outubro de 2009 | 11h58

SÃO PAULO - A disputa pelo título da Fórmula 1 entre o inglês Jenson Button e o brasileiro Rubens Barrichello, que são companheiros na equipe Brawn GP, não tirou o bom humor dos dois pilotos. Nesta quinta-feira, durante entrevista coletiva em Interlagos, eles mostraram que mantiveram o bom relacionamento.

Veja também:

linkPilotos da Brawn GP apostam em evolução

linkRubinho caminha para estudar detalhes da pista

linkJenson Button já teve um algoz brasileiro

linkPrevisão é de chuva durante a corrida 

linkLuta pelo título não muda rotina

linkMassa: Rubinho deve esquecer título e vencer

video TV ESTADÃO - Veja a entrevista de Barrichello

F-1 2009 - tabela Classificação | especialCalendário

especialESPECIAL - Jogue o Desafio dos Pilotos

blog BLOG DO LIVIO - Leia mais sobre a F-1

blog SPF1 - Leia mais no blog do GP do Brasil

"Agora não sou mais tão amigo assim do Rubens", brincou Button, ao falar sobre a disputa pelo título com seu companheiro de equipe. "Eu tenho de fazer o que sentir no meu coração, ser perfeito nos treinos, quero muito repetir o que me aconteceu no começo do ano [quando teve uma sequência de vitórias]."

Faltando apenas duas etapas para o final da temporada, Button tem 14 pontos de vantagem sobre Rubinho e está bem perto do título. Mas ele tenta manter a tranquilidade. "Ser feliz aqui ou em Abu Dabi é a mesma coisa. Temos de ter equilíbrio, não bater, correr pensando no resultado, nada extremo", explicou.

Button também comentou sobre a possibilidade de chuva durante os três dias de disputa do GP do Brasil, cujos treinos começam nesta sexta-feira. "Não tenho que me incomodar com a pressão. É o carro que tem de andar. Este fim de semana pode chover, então é importante tomar boas decisões, sem se complicar", disse.

Enquanto isso, Rubinho manteve o pensamento positivo. "Eu não acredito em má sorte, tudo depende dos problemas que possamos ter. Não será por isso [azar] que eu não conseguirei terminar a corrida da melhor forma. A melhor corrida da minha carreira será agora, pode ser tudo positivo e eu vencer", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.