Nasr diz que novo pacote de atualização será decisivo para carro 2016 da Sauber

A Sauber apresentará no GP de Cingapura de Fórmula 1, no fim de semana, um novo pacote de atualizações, que deve trazer grande mudança para seus carros, um "novo conceito", de acordo com a direção da equipe. Para o piloto Felipe Nasr, as mudanças serão determinantes para o desenvolvimento do futuro modelo 2016 do time suíço.

Estadão Conteúdo

17 de setembro de 2015 | 15h13

"O carro está passando por atualizações em todas as áreas. Será importante validarmos estes números [alterações] na pista porque vão nos guiar para o desenvolvimento do carro 2016", avalia o brasileiro. "Este fim de semana, e o nosso desempenho até o fim do ano, serão importantes para entender como o carro vai reagir."

As mudanças que a Sauber exibirá em Cingapura devem atingir todas as áreas do carro. A começar pelo bico, mais curto, semelhante a Williams, Red Bull e McLaren. Haverá ainda novas asas dianteiras e traseiras, uma nova cobertura do motor, alterações nos dutos de freio, entre outras alterações.

"Sabemos em quais áreas precisamos melhorar. São aperfeiçoamentos em quase todos os componentes, principalmente na pressão aerodinâmica, digamos assim. Mas não há um ponto específico, é uma visão geral de todo o pacote", afirma Nasr.

Com estas mudanças, a Sauber espera recuperar a regularidade do início da temporada. A equipe somou pontos nas últimas três corridas após passar três provas em branco. Nas mais recentes, somente o sueco Marcus Ericsson obteve pontos.

Para Nasr, seu baixo rendimento recente se deve à falta de sorte. "Se você observar a corrida em Monza, no GP da Itália, eu larguei logo depois do Top 10, estava próximo de entrar entre os dez melhores, mas um dos pneus estourou", justifica. "Não consegui somar os pontos, mas neste fim de semana tenho algo para criar expectativa."

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1GP de CingapuraFelipe Nasr

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.