Diego Azubel/EFE
Diego Azubel/EFE

Nasr tenta conter euforia: 'Sonhar alto nos acomoda demais'

Piloto estreante vira a sensação da Fórmula 1 após quinto lugar

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

28 Março 2015 | 07h00

Bastou uma prova na Fórmula 1 para Felipe Nasr se transformar de novato em sensação. No fim de semana do GP da Malásia, que será neste domingo, o piloto brasiliense virou estrela no paddock pelo quinto lugar conquistado na Austrália, mas mantém os pés no chão e traça um panorama mais realista para o restante do ano.

Em entrevista exclusiva ao Estado, Nasr demonstrou cautela antes de falar das próximas corridas. O piloto da Sauber evita por enquanto sonhar com posições melhores do que a obtida em Albert Park. "Sonhar alto demais incomoda os outros e acomoda a gente", afirmou.

No comando do carro 12 ele protagonizou a maior surpresa da abertura da temporada. A equipe suíça não tinha nem sequer pontuado no ano passado, e na Austrália colocou os dois pilotos entre os dez primeiros. O nono lugar conquistado por Marcus Ericsson teve pouco destaque diante da melhor posição conseguida por um piloto brasileiro em sua estreia na categoria.


As 58 voltas na Austrália renderam ainda uma variedade de sentimentos. "A estreia trouxe uma emoção muito grande que achei que não iria sentir. Depois, pensando bem, acho que foi natural depois de 14 anos de sonho e trabalho duro."

No caminho até a bandeirada Nasr teve de superar um toque com Pastor Maldonado logo na largada e ainda precisou ultrapassar – e depois conter o ímpeto – do piloto da casa, Daniel Ricciardo, da Red Bull. Os feitos aumentaram a procura dos jornalistas para conversar com o brasileiro de 22 anos. A imprensa internacional deu destaque a Nasr e até mesmo a organização da Fórmula 1 o procurou para uma entrevista para o site oficial da categoria.

Sem euforia, o piloto sabe que correu na Austrália em condições bastante atípicas, tanto para melhor como para pior. Antes da corrida, a Sauber precisou se defender na Justiça para confirmar a dupla de pilotos, enquanto o holandês Giedo Van Der Garde exigia uma das vagas. O imbróglio tirou a equipe da primeira sessão de treinos livres. "Tudo o que aconteceu atrapalhou a equipe inteira. Na concentração, principalmente", comentou. Depois de ter garantido o 10º lugar no grid, tudo passou a conspirar a favor de Nasr.

Problemas mecânicos e até a lesão de um piloto levaram o grid a ter somente 15 carros. O brasiliense se aproveitou e fez história em uma pista de rua e com características bem diferentes das demais. "Na Malásia tem muita reta longa, o que vai ser bom para a Sauber, que tem boa velocidade final".

Mais conteúdo sobre:
velocidade Fórmula 1 Felipe Nasr

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.