Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Nelsinho é o mais jovem a vencer na F-3

Nelson Angelo Piquet, 19 anos e dois meses, é o mais jovem campeão da F-3 inglesa de todos os tempos. Neste domingo, com uma vitória e um segundo lugar, nas duas corridas disputadas em Brands Hatch, o filho do tricampeão Nelson Piquet, conquistou o título. Até neste domingo, o mais jovem piloto a vencer na categoria era Rubinho Barrichello, em 1991, com 19 anos e 5 meses. A vitória de Piquet, da Piquet Sports, é a primeira de uma equipe estrangeira na F-3 inglesa em 26 anos. A última, em 78 foi com Nelson Piquet.Nelson Angelo Piquet está convencido: é impossível chegar hoje à F-1 sem o crivo da disputadas corridas nos autódromos da Inglaterra. "Na F-3 sul-americana eu corria sozinho. Aqui eu aprendi a brigar por posições, a preparar o carro para cada circuito, a andar no limite, a enfrentar problemas e ficar atrás. Depois de duas temporadas, acho que estou muito mais maduro", admite.Pronto para subir de categoria em 2005, Nelson Ângelo está seguro de que manterá o vínculo com a Williams/BMW para quem, espera, voltará a fazer testes no ano que vem. Ao mesmo tempo, o piloto já definiu, praticamente, que seu caminho será o da nova Fórmula 2 que estreará no ano que vem como último degrau antes da F-1. "O salto será grande. Os Dallara/Renault da F-2 terão motores de 600 cavalos enquanto os da F-3 não passam de 230 ou 240 cavalos. Mas este é o caminho. Já não tenho mais motivos para permanecer na F-3".Nelson Angelo está conversando com algumas equipes de melhor estrutura e espera definir seu futuro ainda este ano", diz. Uma hipótese que poderia interessar ao tricampeão Nelson Piquet, responsável pela gestão da carreira do filho, seria uma parceria entre a Piquet Sports e uma equipe de F-2. "A estrutura de uma equipe de F-2 deverá ser bem maior do que a da F-3", justifica o piloto.Chegada - A Fórmula 1 é a meta de Nelson Angelo que, por enquanto, não sente a menor atração pelas corridas americanas. Mas também não tem pressa em chegar lá. "Tenho visto muita gente enfrentando dificuldades. O Ricardo Zonta, o Antonio Pizzonia, estão entrando e saindo da equipe. Eu prefiro esperar mais tempo se for preciso. E quando chegar a oportunidade entrar e ficar de vez com uma vaga", diz.Uma boa temporada de Fórmula 2, no ano que vem, já poderá abrir o caminho para Nelson Angelo na Fórmula 1 em 2006. "Se eu sentir que é uma proposta boa é claro que não vou recusar. No ano que vem, andando com motores mais potentes, já saberei de minhas condições. Minha primeira experiência com a Williams foi boa. Ela me deu muita confiança".Como o pai, Nelsinho também não gosta de ginástica. Mas desde que chegou a F-3 concluiu que se prejudicaria sem um bom condicionamento: "Não é nada agradável mas estou fazendo peso, musculação, aeróbica, ciclismo com meu ?personal trainner? Alan Guimarães", conta. E reconhece que isso está fazendo bem, dando mais disposição. "O ano que vem vai ser bravo. Para segurar um motor de 600 cavalos em corridas e testes só com muita massa muscular. Do contrário você acaba arrebentado".

Agencia Estado,

03 de outubro de 2004 | 16h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.