Nelsinho é um bom piloto, diz dono de nova equipe de F-1

John Booth avisa que ainda não conversou com o brasileiro e só o preocupa a questão de patrocínios

Alan Baldwin, REUTERS

25 de setembro de 2009 | 10h18

LONDRES - A nova equipe de Fórmula 1 Manor GP pode salvar a pele de Nelsinho Piquet, apesar de o piloto brasileiro ter batido seu carro de propósito no Grande Prêmio de Cingapura no ano passado em uma trama da Renault.

Veja também:

especialENTENDA - O escândalo Nelsinho-Briatore

F-1 2009 - tabela Classificação | especialCalendário

especialESPECIAL - jogue o Desafio dos Pilotos

blog BLOG DO LIVIO - Leia mais sobre a F-1

"Não falei com ele até agora, mas o garoto é bom", disse John Booth, chefe da Manor GP, ao jornal Yorkshire Post desta sexta-feira, quando indagado sobre o piloto brasileiro de 24 anos.

"Não tenho problemas pessoais com ele, mas não está clara qual é sua situação no tocante a patrocínios", acrescentou.

Nelsinho recebeu imunidade por fornecer provas da armação da Renault, que recebeu uma ameaça de exclusão do esporte. Já o ex-chefe da equipe francesa Flavio Briatore foi excluído definitivamente do esporte por ter supostamente planejado a batida do brasileiro.

Bernie Ecclestone, empresário chefe da Fórmula 1, disse ao jornal Daily Express que Nelsinho Piquet não descartou suas chances na modalidade.

"Piquet terá outra chance. Ele é um piloto que faz o que mandam", disse o britânico. "Isso é o que todo chefe de equipe quer, e nem todos fazem isso."

A Manor GP é uma das quatro novas escuderias que estreiam na F-1 na próxima temporada. O campeão mundial Lewis Hamilton e Kimi Raikkonen pilotaram na Manor em uma categoria menor no caminho até a F-1.

Espera-se que o novo time anuncie um acordo com a Virgin, que atualmente patrocina a Brawn, em novembro, quando os pilotos da equipe também devem ser anunciados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.