Eric Gaillard/Reuters
Eric Gaillard/Reuters

Nelsinho minimiza polêmica com Massa na Fórmula E: 'Estava de cabeça quente'

Brasileiros trocaram declarações polêmicas após a corrida de estreia da temporada

Felipe Rosa Mendes / SANTIAGO (CHI), Estadão Conteúdo

25 de janeiro de 2019 | 15h33

Na véspera de mais uma etapa da Fórmula E na temporada 2018/2019, o piloto brasileiro Nelsinho Piquet tratou de encerrar a polêmica com Felipe Massa, após troca de declarações polêmicas na esteira da corrida disputada em Marrakesh, no Marrocos, há duas semanas. Na ocasião, o filho do tricampeão da Fórmula 1 disse que Massa foi "ridículo" e "amador" durante o treino classificatório.

Nesta sexta-feira, porém, Nelsinho minimizou o episódio, em meio aos preparativos para a etapa de Santiago, no Chile. "O que aconteceu foi uma comunicação de rádio entre eu e a equipe. A TV gosta de puxar as coisas do rádio. É um 'feature' que é bom para o público, que quer ouvir o que sai no rádio. Mas quando você está de cabeça quente, uma volta só no treino, você fala um negócio assim", disse.

As declarações polêmicas aconteceram durante o treino classificatório, que na Fórmula E concede apenas uma volta para cada piloto tentar registrar o melhor tempo possível, com o objetivo de formar o grid. Em Marrakesh, Massa acabou saindo da pista de forma abrupta rumo aos boxes e atrapalhou a volta de Nelsinho.

Veiculadas pelo rádio do piloto, as declarações ganharam repercussão nos dias seguintes. E Massa respondeu: "(Ele) Não é um grande exemplo, para ser honesto. As coisas que está fazendo e dizendo. Não me importo com o que ele diz, para ser sincero. A única coisa que eu posso dizer é que não fiz nada errado. Apenas tive um problema técnico com o carro e estava parando o carro. Não fiz nada de propósito contra ninguém", explicou o piloto.

Na resposta a Nelsinho, Massa fez referência a um polêmico episódio passado na Fórmula 1 em 2008. O piloto, então na Ferrari, liderava o GP de Cingapura quando Nelsinho bateu no muro e levou a corrida a ter "safety car". Meses depois, uma investigação da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) concluiu que Piquet bateu o carro de propósito, a mando da equipe Renault, para que o acidente interrompesse a corrida e beneficiasse o espanhol Fernando Alonso a ganhar a prova.

Nesta sexta-feira, Nelsinho criticou a organização da prova por divulgar a transmissão do seu rádio para a sua equipe, a Jaguar. "Fizeram uma bomba tão grande por isso, achei desnecessário! Nem ele e nem eu temos problemas. Mas usaram isso para chegar nele, para provocar ele também. A agência (responsável pelas mídias da F-E) fez o trabalho dela, que é criar notícias", declarou o piloto, antes de fazer uma comparação.

"Se colocar um microfone na boca de qualquer jogador de futebol durante um jogo, ele vai xingar até a mãe dele. As pessoas precisam ter o bom senso de entender o que se passa na cabeça de um piloto, na hora de estar fazendo uma volta de classificação e você ser atrapalhado", afirmou Nelsinho.

Terceira etapa da temporada, a corrida em Santiago será disputada neste sábado, às 17 horas (de Brasília). Como de costume, o treino classificatório está agendado para o mesmo dia, com início às 13 horas. Neste ano, a corrida chilena será disputada em local diferente da temporada passada, no Parque O'higgins, em um circuito de rua com trechos de asfalto e concreto.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.