Nelsinho Piquet teve "injeção de ânimo"

Mal conquistou as duas primeiras vitórias na abertura da A1 Grand Prix ? a nova categoria do automobilismo, com equipes de países ?, em Brands Hatch, na Inglaterra, Nelsinho Piquet correu para Bahrein, onde na quinta e na sexta-feira faz as últimas duas provas da GP2. O piloto brasileiro deve se encontrar na próxima semana com Ronaldo ?Fenômeno?, investidor na A1, para comemorar a excelente estréia.?As duas vitórias na A1 vieram na hora em que eu estava precisando de uma injeção de ânimo. Estou muito feliz. Além de me reanimar, as duas vitórias na estréia colocaram o Brasil na frente?, analisou o piloto, que não imaginava a grande repercussão da categoria logo na estréia. ?Não sabia que a estrutura era tão grande, não sabia que seria tão forte assim. Fiquei impressionado no início e as vitórias mostraram que tenho talento e que a minha equipe está trabalhando muito bem. Os ingleses gostaram muito. As duas vitórias também serviram para mostrar que consigo fazer um bom trabalho.?Nessa categoria, os carros são todos iguais. O diferencial são os pilotos e os acertos das equipes. ?Na A1, ao contrário da F-1, por exemplo, o carro fica com a organização. A equipe só mexe nele na semana da corrida: pega o carro na quarta-feira e devolve na segunda. Ninguém pode fazer mais investimentos do que os outros.?O piloto não quer mais ser conhecido como ?o filho de Piquet?. Mas garante que não sofre pressão por causa disso. ?Provei a todos o que consigo fazer. Que posso ser um piloto de ponta e que posso ganhar minha vida correndo. Não preciso falar de quem sou filho, porque sou um cara dedicado, com talento e que está se aperfeiçoando para chegar à Fórmula 1.?Sem muito tempo para comemorar as vitórias, Nelsinho vai se encontrar em breve com Ronaldo para festejar. ?Ele me ligou depois das corridas, porque estava jogando (o Real Madrid enfrentou o Alavés), me parabenizou e disse para nos encontrarmos na semana que vem para comemorarmos?, declarou. Onde? ?Não posso contar (deverá ser em Madri).?O ritmo acelerado entre viagens e categorias diferentes não abalam o piloto. ?Não estou cansado e nem quero saber de férias. Meu negócio é estar dentro do carro, pilotando. É a minha vida, é o que me dá mais prazer. Claro que gostaria de ir ao Rio de Janeiro, mas na Fórmula 1 as coisas também são assim. Estou me esforçando para ser um piloto melhor.?Nelsinho admite que não tem grandes expectativas para as últimas duas corridas da GP2, em Bahrein: ?Se eu vencesse, ainda poderia terminar o campeonato em quarto lugar, mas acho difícil.? Na classificação geral, o piloto é o sétimo, com 46 pontos. O líder é Nico Rosberg, com 102.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.