Gero Breloer/AP
Gero Breloer/AP

Nelsinho responde a Briatore: 'O Flavio não tem amigos'

Brasileiro reclama das cobranças desmedidas do chefão da Renault e fala das comparações com Alonso

Livio Oricchio, O Estado de S. Paulo

24 de julho de 2009 | 16h33

BUDAPESTE - A situação de Nelsinho Piquet na Renault começa a tornar-se até constrangedora para o piloto. Após as críticas do chefão Flavio Briatore aos jornalistas brasileiros, ele deu sua versão dos fatos e também atacou o dirigente: "O Flavio não tem amigos, se sai para jantar é por que está pensando em negócio, quanto vai ganhar."

Veja também:

linkBriatore avisa Nelsinho: as desculpas estão no fim

linkHamilton e as McLarens, os mais rápidos dos treinos

tabela F-1: classificação do Mundial

especial Confira o calendário da temporada

especial ESPECIAL: jogue o Desafio dos Pilotos

Diante do exposto por Briatore, Nelsinho disputará o GP da Europa pela Renault, dia 23, apenas se apresentar excepcional desempenho na sessão classificatória e ao longo das 70 voltas do GP da Hungria, neste final de semana. 

A visão do piloto envolve mais variáveis. Um exemplo: a reclamada diferença de desempenho, com Alonso mais rápido por três décimos ou mais. "Na cabeça dele [Briatore], que não entende porra nenhuma, esses três décimos deveriam fazer com que, ao final de 10 voltas, eu estivesse apenas 3 segundos atrás do Fernando Alonso, mas as coisas não funcionam assim."

Nelsinho confirma ser, por vezes, três décimos mais lento que Alonso, o que deve ser somado aos três décimos do carro. "Esses seis décimos fazem com que ele largue em 7.º, 8.º e eu em 16.º, acaba minha corrida, vira uma bola de neve."

O piloto reclama das cobranças desmedidas. Nelsinho fala da maneira como é cobrado: "Assinei com o Flavio para ser o meu empresário, mas ele está pisando na minha cabeça, não sei qual é o objetivo dele, tentar me ajudar ou atrapalhar."

Na sequência, o piloto demonstra até irritação com seu chefe: "Não quero mais falar disso, não quero me envolver com ele, quem tem de tomar as decisões com o Flavio é meu pai."

Se o diretor da Renault tem, segundo Nelsinho, responsabilidade direta na sua falta de resultados, o mesmo não diz de Fernando Alonso, como poderia se pensar. Nelsinho isenta o espanhol, ao menos como pessoa.

"Ele faz com que eu 100% das vezes tenha de dar tudo de mim porque está sempre no limite do carro, o que não é fácil." E complementou: "Se fosse outro piloto na equipe, agora, talvez ajudasse eu elevar minha autoconfiança. O problema talvez seja esse, o Alonso e a pressão do Flavio em hora errada."

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Nelsinho PiquetRenault

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.