Nico Rosberg diz que não há piloto número 1 na Mercedes

Alemão dá declaração apesar do jogo de equipe que favoreceu Hamilton na corrida passada

AE, Agência Estado

11 de abril de 2013 | 16h28

XANGAI - O alemão Nico Rosberg reiterou nesta quinta-feira que não privilégios entre os pilotos na Mercedes, apesar do jogo de equipe que favoreceu o companheiro Lewis Hamilton na corrida passada, na Malásia. "Não há número um, nem número dois. Estou muito certo disso", garantiu o piloto, às vésperas do GP da China, em Xangai.

A declaração vai de encontro ao que aconteceu na última etapa da Fórmula 1, há três semanas. Na ocasião, o chefe da equipe, Ross Brawn, ordenou que os pilotos mantivessem suas posições na corrida, a poucas voltas do fim. Hamilton ocupava o terceiro posto e acabou no pódio, enquanto Rosberg era o quarto. O alemão era mais rápido, mas deixou de fazer a ultrapassagem sobre o companheiro por causa da ordem de Brawn.

Nesta quinta, o piloto minimizou o episódio e disse que estava decepcionado ao fim da corrida porque a ordem de equipe não havia sido discutida antes pela direção da Mercedes. "A dificuldade existia porque não tínhamos conversado sobre isso antes. Acho que esse foi o nosso erro", admitiu.

Rosberg acredita que uma nova ordem de equipe para manter posições seria seguida novamente, mesmo que ele seja o beneficiado. "Se eu estiver na frente e Lewis, atrás, ele vai respeitar as ordens e vice-versa", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.