Nigel Stepney diz que Ferrari também espionou a McLaren

Sem provas, ex-mecânico-chefe da equipe vermelha afirma que os italianos conheciam dados secretos da rival

04 de outubro de 2007 | 12h00

O ex-mecânico-chefe da Ferrari, Nigel Stepney, voltou a agitar a Fórmula 1 nesta quinta-feira ao declarar que a equipe italiana também teve acesso a dados secretos da McLaren.   Veja também:  Classificação do Mundial  Leia mais no Blog do Lívio   Stepney foi demitido em junho por entregar dados da Ferrari para a McLaren, naquele que foi conhecido como maior escândalo da história da Fórmula 1.   O ex-mecânico, no entanto, conta não ter provas sobre a utlização dos dados da McLaren por parte da Ferrari.   Os documentos eram passados por Mike Coughlan, ex-projetista-chefe do time inglês, que também esteve envolvido no escândalo de espionagem da McLaren.   "A Ferrari também tinha acesso a informações importantes, como dados de testes e estratégia de provas", disse Stepney ao site GrandPrix. "Muitos na equipe tinham acesso às informações, mas infelizmente não tenho e-mail para provar."   Por causa do escândalo de espionagem, a McLaren foi punida com uma multa de R$ 190 milhões e perdeu os pontos no Mundial de Construtores.   Os pilotos da equipe, que também tiveram acesso aos dados da Ferrari, não foram punidos e lutam pelo título da temporada.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1FerrariMcLarenespionagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.