David Mdzinarishvili/ Reuters
David Mdzinarishvili/ Reuters

No Azerbaijão, Hamilton comemora pole 'mais especial' da temporada

Piloto da Mercedes se tornou o 2º que mais largou em primeiro lugar na história da competição

Estadão Conteúdo

24 de junho de 2017 | 15h02

O inglês Lewis Hamilton comemorou bastante a 66ª pole da carreira na Fórmula 1. A conquista do melhor tempo no classificatório do GP do Azerbaijão veio nos instantes finais e o colocou como o segundo piloto que mais largou em primeiro lugar na história da competição.

"Minha pole em Montreal (no dia 11, no GP do Canadá) foi bastante especial, mas acho que essa aqui supera", comentou ao sair do carro. Ao cravar o melhor tempo, Hamilton superou Ayrton Senna em número de poles (66 a 65) e ficou a duas de igualar o recorde de Michael Schumacher.

A volta mais rápida veio tempo de maneira inesperada. Isso porque uma bandeira vermelha provocada por um acidente com o australiano Daniel Ricciardo interrompeu o Q3 a três minutos do fim. Como durante todos os treinos havia uma dificuldade com o aquecimento dos pneus, a expectativa é que não houvesse tempo para bater a melhor volta, que então pertencia a Valtteri Bottas.

"Havia muita pressão na parte final do treino. Durante toda a semana, nos lutamos para acertar o carro e conseguir fazer uma volta rápida. Fui então para o tudo ou nada. Dei o máximo que podia, arrisquei bastante. Saindo a última curva eu só pensava 'por favor, seja o bastante'", contou Hamilton.

O inglês largará duas posições à frente de Sebastian Vettel, seu principal concorrente na briga pelo título. O piloto da Ferrari lidera o Mundial de Pilotos com 141 pontos, contra 129 de Hamilton. "É um sentimento muito bom. Preciso agradecer ao trabalho feito pela equipe na última noite que deixou o carro desta maneira", finalizou.

O companheiro de equipe de Hamilton, Valtteri Bottas, no entanto, ficou desapontado com a segunda colocação. Isso porque ele liderou o Q3 praticamente até zerar o cronômetro. "É frustrante perder a pole da maneira que aconteceu. Estava indo tudo bem até a bandeira vermelha. Mas o Lewis fez uma grande volta e a minha não foi o suficiente", analisou.

O finlandês está em terceiro lugar no Mundial de Pilotos, com 93 pontos, mas garante que brigará pela vitória com Hamilton. No grid de largada, sairá à frente das Ferrari de Kimi Raikkonen e Vettel. "Agora tenho que olhar para a corrida. Estou em uma fantástica posição de largada e espero fazer uma boa briga com o Lewis", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.