Christof Stache/AFP
Christof Stache/AFP

No Japão, Vettel diz que Ferrari resolveu problema de motor que o tirou de prova

No último GP disputado, na Rússia, alemão foi obrigado a deixar a corrida por falha no carro

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2019 | 11h45

O alemão Sebastian Vettel amargou uma grande decepção ao abandonar o GP da Rússia, no último dia 29 de setembro, em Sochi, onde foi obrigado a deixar a prova por causa de um problema no motor de sua Ferrari. Nesta quinta-feira, ao projetar a disputa da próxima etapa da temporada da Fórmula 1, em Suzuka, no Japão, o piloto alemão disse que a equipe resolveu o problema com a unidade de potência do seu carro após investigar "a fundo" o motivo para o mesmo ter ocorrido.

Depois do abandono, o tetracampeão mundial ainda viu a dupla da Mercedes triunfar com o inglês Lewis Hamilton conquistando a vitória na pista russa e o finlandês Valtteri Bottas chegando em segundo lugar. Charles Leclerc, da Ferrari, ficou em terceiro e completou o pódio depois de a escuderia italiana ter comemorado três vitórias seguidas. As duas primeiras alcançadas justamente pelo piloto monegasco, na Bélgica e na Itália, e a última delas com Vettel em Cingapura.

Sem uma conclusão clara da razão que fez o motor do monoposto de Vettel apresentar uma anomalia na Rússia, a Ferrari levou o propulsor até a sua sede em Maranello para uma investigação mais profunda e descobriu que "temperaturas excessivas na unidade eletrônica de potência" acionavam uma mensagem de erro que fizeram com que a mesma não funcionasse como deveria e consequentemente obrigasse o piloto a abandonar a prova.

Ao comentar o problema no paddock do GP do Japão, cuja primeira sessão de treinos livres começa às 22 horas (de Brasília) desta quinta-feira (manhã de sexta no horário local), o alemão também exibiu confiança de que a troca de alguns componentes do motor de sua Ferrari não provocará uma penalização com a perda de posições no grid nas cinco corridas restantes desta temporada.

"Obviamente, aquilo (o abandono na Rússia) não foi bom porque eu tive de parar", disse Vettel, que depois destacou: "Eu acho que nós fomos a fundo nisso. Não há preocupação para as próximas cinco corridas, em termos de quilometragem que temos de cobrir para todos esses eventos. Foi uma combinação de coisas que levou a algo falhar", analisou.

O treino de classificação que definirá o grid do GP do Japão está marcado para começar às 3 horas (de Brasília) de sábado, enquanto a largada da prova ocorrerá às 2h10 da madrugada de domingo. Na luta para conquistar apenas a sua segunda vitória nesta temporada, Vettel ocupa a quinta posição do Mundial de Pilotos, com 194 pontos, bem distante do líder Hamilton, que já contabiliza 322.

Para Entender

Programação de tv

Veja as principais atrações esportivas do dia

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.