Edgar Su|Reuters
  Edgar Su|Reuters

  Edgar Su|Reuters

Nova geração de Fórmula 1 se consolida e ameaça continuidade do reinado de Hamilton

Jovens como Charles Leclerc e Max Verstappen mostram ao longo do ano a capacidade de se tornarem estrelas

Ciro Campos , O Estado de S. Paulo

Atualizado

  Edgar Su|Reuters

A Fórmula 1 inicia neste domingo, às 9h10, no GP de Cingapura, a fase final do calendário com o título encaminhado novamente para Lewis Hamilton, da Mercedes, e com mais uma certeza estabelecida na categoria. Após dois terços da temporada cumpridos, o ano tem servido para consolidar uma nova geração de jovens pilotos, como Max Verstappen e Charles Leclerc, nomes cada vez mais preparados para assumir o protagonismo nos próximos campeonatos.

O grupo de rapazes promissores, de menos de 23 anos e com idade para ser estudantes universitários desponta como o futuro de uma modalidade que nos últimos anos tenta justamente conquistar o público mais jovem. Verstappen e Leclerc, por exemplo, foram os únicos pilotos fora a dupla da Mercedes a terem vencido provas nesta temporada. Tudo isso com só 21 anos.

A Fórmula 1 não conta só com eles. O mais novo do grid é o britânico Lando Norris, da McLaren, de apenas 19 anos e cotado como o "novo Hamilton". O ano trouxe como uma das surpresas o crescimento do estreante Alex Albon, tailandês de 23 anos promovido recentemente para a Red Bull após bons resultados. Até mesmo o canadense Lance Stroll, de 20, trocou a fama de piloto milionário e comprador de vaga na categoria para conseguir um quarto lugar no GP da Alemanha.

O grid atual tem a média de idade de 26 anos e uma divisão clara entre gerações. De um lado, nomes como Hamilton, Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen passaram dos 30 anos. Do outro, os garotos se mostram cada vez mais prontos para assumir os postos principais.

Quem mais cresceu no ano foi o monegasco Leclerc. O piloto da Ferrari ganhou as duas últimas provas e tem superado o colega tetracampeão mundial, Sebastian Vettel. "Quando eu cheguei à equipe, não quis parecer arrogante e passar a impressão que queria mudar tudo. Eu quis esperar meu tempo, me adaptar e mostrar meu potencial", afirmou Leclerc.

Os resultados arrebatadores do monegasco o colocam com o rival futuro de Verstappen. O holandês foi o mais jovem a estrear na categoria, aos 17 anos, é um fenômeno de público. O piloto arrasta pelos autódromos uma torcida organizada colorida de cor laranja e alimenta a expectativa holandesa para receber no próximo ano um GP após 35 anos. No tempo livre, ele gosta de jogar futebol no vídeo game.  

Os mais jovens da atual Fórmula 1 chegaram cedo à categoria graças a projetos de academias de pilotos. Equipes como Red Bull, Renault, McLaren e Ferrari se dedicam a recrutar talentos e fazê-los evoluir com atividades diárias, como treinos físicos, simuladores e convívio na fábrica."Se nós não tivéssemos arriscado e dado chances aos novatos, eles nunca teriam aparecido e entregado esses resultados", afirmou o chefe de Red Bull, Christian Horner.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Excesso de jovens deixa antigas revelações na fila de espera pela Fórmula 1

Nomes badalados em anos anteriores lutam para não cair no esquecimento e sumirem do cenário da categoria

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

21 de setembro de 2019 | 17h00

A grande quantidade de pilotos jovens candidatos à Fórmula 1 faz as vagas do grid não darem conta de absorver tantos talentos. Um dos exemplos desse processo foi o francês Esteban Ocon, de 23 anos, membro do programa de desenvolvimento da Mercedes e campeão em categorias inferiores, mas que ficou fora do grid neste ano.

Ocon teve bons resultados em 2017 e 2018 pela Force India, até permanecer nesta temporada como piloto reserva da Mercedes. Semanas atrás ele assinou contrato com o Renault para voltar ao posto de titular em 2020, uma escolha bancada pelo diretor da equipe francesa, o tetracampeão mundial Alain Prost. 

O piloto francês se envolveu em um episódio inusitado no ano passado, no GP do Brasil. Após errar uma manobra e abter em Verstappen, os dois discutiram nos boxes ao fim da prova. O holandês chegou a empurrar Ocon. Como punição, ambos tiveram de prestar serviços comunitários.

A mesma expectativa por uma nova oportunidade pressiona o alemão Pascal Wehrlein. Agora com 24 anos, ele também passou pelo projeto de desenvolvimento de talentos Mercedes e correu na categoria por duas temporadas com carros ruins, pela Manor e depois pela Sauber. Ausente da Fórmula 1 nos dois últimos campeonatos, ele resolveu dar um passo atrás e virar piloto de testes da Ferrari. Mas dificilmente terá vaga no grid em 2020.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.