Novo Nurburgring preocupa pilotos

O objetivo dos administradores do circuito de Nurburgring, com a reforma realizada para celebrar o seu 75º aniversário, no fim de semana, era o de tornar a pista mais segura e facilitar as ultrapassagens. Tudo o que eles conseguiram, no entanto, segundo os próprios pilotos, "foi elevar muito a margem de risco de um acidente depois da largada." Isso foi o que a maioria desses profissionais constatou, nesta sexta-feira, depois do primeiro dia de treinos livres para o GP da Europa, nona etapa do Mundial, em que David Coulthard, da McLaren, fez o melhor tempo e Michael Schumacher, Ferrari, ficou em segundo. Neste sábado será disputada a sessão que definirá o grid. O que era para ser um motivo de tranquilidade um pouco maior para os pilotos acabou por transformar-se em algo preocupante. A série de quatro curvas que substituiu o S localizado no fim da reta dos boxes do circuito não agradou os pilotos. "A área de escape aumentou, colocaram asfalto onde havia brita, mas a primeira curva é muito lenta e nós chegamos lá com muita velocidade. Quero só ver o que vai acontecer domingo depois da largada", disse Rubens Barrichello, quarto colocado nesta sexta-feira. Por razões políticas, Schumacher poupou os organizadores. "Não há curvas lentas também, depois da largada, nas pistas do Canadá, de Mônaco e da Bélgica?", questionou. A maioria, porém, foi dura com os responsáveis. "É coisa de louco. Em Mônaco dá para entender, aqui não. Ficarei surpreso se na largada da corrida 4 ou 5 carros não se acidentarem na curva 1", prevê Juan Pablo Montoya, da Williams, autor do quinto tempo nesta sexta-feira. "Acho que naquele ponto são boas as chances de assistirmos a acidentes grandes", diz Felipe Massa, da Sauber, 16º nos treinos livres. O que os pilotos alegam é que, apesar de a nova pista na curva 1 ser larga, os 22 carros, neste domingo, estarão muito juntos, em elevada velocidade, já que desde a área da largada até lá há cerca de 400 metros de aceleração plena. "Teremos um espaço mínimo para reduzir drasticamente a velocidade", analisa Enrique Bernoldi, da Arrows, 19º. Schumacher e Barrichello não vêm Coulthard, apesar do melhor tempo, ou seu companheiro de McLaren, Kimi Raikkonen, terceiro nesta sexta-feira, como ameaças à pole position. "A Williams pode e acredito que oferecerá resistência, neste sábado, à nossa equipe, mas a McLaren é claramente a terceira força deste campeonato", afirma o alemão. Apesar da previsão otimista de Schumacher para a Williams, seu irmão, Ralf, piloto da equipe inglesa, não tem a mesma impressão. Ele ficou em sexto. "Não tive problema algum no carro, apenas não conseguíamos torná-lo mais veloz." A temperatura de 18 graus também não está ajudando os pilotos que usam pneus Michelin, como os da Williams e McLaren. A Ferrari compete com Bridgestone. "Acredito que neste sábado Ferrari e Williams nos ultrapassem", fala Coulthard, resignado com os problemas da McLaren este ano. Ele viu outros problemas na alteração do fim da reta dos boxes. "O asfalto na trajetória ideal para tentarmos a ultrapassagem é ondulado. Não dá para ir por lá e brecar mais dentro da curva, como pretendiam os autores da mudança." Raikkonen reclamou que as ondulações causaram o bloqueio das rodas dianteiras na zona de frenagem. "Achatei meu pneus nessas travadas de rodas." A sessão de classificação, neste sábado, começa um pouco mais cedo do usual. Em vez das 8 horas (horário de Brasília), terá início às 7h15, para fugir da concorrência dos jogos da Copa da Mundo.A Rede Globo transmite o treino ao vivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.