Ordem do pai faz Lewis Hamilton ir cedo para a cama

'Nada de fumar, nada de beber, nada de mulheres, só trabalho', pede o atento Anthony ao piloto inglês

Alan Baldwin, da Reuters,

01 de outubro de 2007 | 12h27

Lewis Hamilton pode estar a apenas uma corrida de se tornar o primeiro estreante a vencer o Mundial de Fórmula 1, mas a festa terá de esperar.   Presença constante no paddock da McLaren, Anthony Hamilton vai garantir que nos próximos dias seu filho, de 22 anos, vá cedo para casa e se empenhe nos treinos, deixando de lado o champanhe e as baladas.   Veja também:  Classificação do Mundial  Leia mais no Blog do Lívio   "Não dá para fazer festa quando se está correndo. Nada de fumar, nada de beber, nada de mulheres, só trabalho", disse ele após a vitória de Lewis Hamilton no domingo, num encharcado circuito de Fuji. "Se você quer ir para a festa e topar com mulheres, aí é melhor escolher outro emprego."   Com quatro vitórias em 15 provas, o jovem abre 12 pontos de vantagem sobre seu colega de equipe, o bicampeão espanhol Fernando Alonso. Faltam apenas duas provas para o fim da temporada.   Hamilton precisa vencer no domingo o GP de Xangai para ficar com o título, mas também é possível que liquide a fatura apenas chegando à frente dos rivais Alonso e Kimi Raikkonen, da Ferrari. Caso não consiga, a decisão ficará para o GP de Interlagos.   O pai do favorito prefere que o filho não pense nisso. "Lewis só foca em ganhar uma corrida. A próxima corrida é o que é importante para ele agora."   Parece que já faz uma eternidade que Hamilton estreou na categoria, em março, sob suspeita de que talvez ainda estivesse verde para a Fórmula 1 - idéia hoje risível.   "É engraçado a palavra 'hype' [para se referir à 'moda' Hamilton]. Essa palavra nos seguiu por aí desde que ele tinha sete anos. Pois em cada estágio provamos que a palavra nunca se aplicou a nós. Aplica-se aos outros. Viemos, tentamos fazer um trabalho honesto, vamos embora, reconstruímos e tentamos de novo. Não há hype em torno de Lewis", disse o pai dele.   "Só há uma coisa que vocês podem fazer sobre Lewis, que é escrever os fatos com base nos resultados. Eles falam por si", completou Anthony.   Tais estatísticas, de fato, são notáveis: nove pódios seguidos no começo da temporada, quatro vitórias (sendo duas consecutivas, no Canadá e nos EUA) e cinco poles. Em 15 provas, só ficou fora do pódio em três.   Sendo o primeiro negro a disputar a categoria na história, Hamilton já demonstrou que pode atrair novas audiências para a Fórmula 1, como fez Tiger Woods no golfe. Anthony Hamilton sabe bem disso. "Se ganharmos o campeonato, será demais", afirmou, todo coruja. "Mas não é grande só para nós, seria realmente grande para todos."

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Lewis Hamilton

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.