Organização testa, sob chuva, segurança do GP do Brasil

Os organizadores do GP do Brasil de Fórmula 1 realizaram na manhã deste sábado, no autódromo de Interlagos, o simulado de segurança para a corrida que encerra a temporada, no dia 2 de novembro. Pela primeira vez em 37 anos de prova, o teste aconteceu sob chuva, e o resultado foi bom. Todos os procedimentos necessários em caso de acidentes e situações de corrida e também outras situações de risco foram cumpridos de acordo com as normas estabelecidas.O fato de o simulado ter sido feito com chuva também foi considerado importante. "Foi um desafio extra bastante positivo, afinal, existe a possibilidade de a etapa ser realizada com pista molhada", afirmou Carlos Montagner, diretor de prova do GP do Brasil.Com uma equipe de 200 bombeiros e cerca de 50 médicos, todos os procedimentos de um GP foram exaustivamente treinados e repetidos; desde a largada a uma simulação de acidente, para que fosse apurado o tempo de resgate. "Nosso objetivo é fazer com que a equipe de atendimento ao piloto chegue ao local do incidente em no máximo 30 segundos", destacou Dino Altmann, há 19 anos responsável por coordenar a equipe médica em Interlagos.Para a etapa de encerramento do campeonato, o autódromo trará novidades em relação às dependências para atendimento médico. "Teremos neste ano um novo centro médico com o que existe de mais moderno no mundo, uma versão melhorada dos principais ambulatórios já existentes e um espaço duas vezes maior que o antigo", ressaltou Altmann. Outras mudanças no circuito foram a ampliação da área de arquibancadas fixas e a construção de uma nova cobertura para o paddock. Neste ano, o GP do Brasil encerra a temporada pela terceira vez seguida. Em 2009, com a inclusão de Abu Dhabi no calendário, a corrida dos Emirados Árabes vai encerrar a disputa, e Interlagos ficará com a penúltima etapa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.