Diego Azubel/EFE
Diego Azubel/EFE

Para Rubinho, treino livre provou qualidade da Brawn GP

Recordista de GPs da F-1 fala: 'Sei que podemos ir muito bem, só não sei exatamente o que é este 'muito bem''

AE, Agência Estado

27 de março de 2009 | 09h36

MELBOURNE - O brasileiro Rubens Barrichello marcou o segundo melhor tempo da sexta-feira em Melbourne, nos treinos livres para o GP da Austrália de Fórmula 1, e acha que o desempenho serviu para provar que o desempenho do carro da Brawn GP nos testes coletivos de Barcelona e Jerez não era só "fogo de palha".

Veja também:

linkWilliams domina treinos livres; Barrichello fica em 2.º

linkRosberg admite que foi melhor do que esperava

linkTurma de Ecclestone paga a conta e carros entram na pista

linkRosberg é o mais rápido no 1.º treino livre na Austrália

especialESPECIAL: Conheça os pilotos e equipes da F-1 2009

especialConfira o calendário (com horários) da temporada 2009

video TV ESTADÃO: O que esperar do começo da disputa?

especialEspecial: jogue o Desafio dos Pilotos

"Apesar do pouco tempo que tivemos para testar, provamos que temos um carro competitivo", afirmou o piloto, que anotou 1min26s157 em sua melhor volta, na segunda sessão de testes, pouco mais de um décima acima do melhor do dia, o alemão Nico Rosberg, da Williams, com 1min26s053.

O desempenho deixou Barrichello mais do que animado para o treino de classificação, que será disputado às 3 horas (de Brasília) da madrugada de sexta para sábado. "Acho que temos boa chance de fazer um treino bem forte. Estou muito motivado e sei que podemos ir muito bem, só não sei exatamente o que é este 'muito bem''', filosofou. "Vamos descobrir ainda se é vencer, ia ao pódio ou apenas ficar nos pontos."

Rubinho não teme que um eventual bom resultado vá por água abaixo no julgamento da Corte de Apelações da FIA, que vai analisar o protesto de várias equipes contra o carro da equipe, acusado de irregularidades. "Isso não é comigo, só estou dirigindo o carro. E, se ele foi aprovado agora, como vão dizer daqui a 10 dias que é ilegal? O carro está dentro das regras e os outros que façam um melhor", disparou.

O britânico Jenson Button, que fez o quinto tempo na segunda sessão, com 1min26s374, disse que não conseguiu uma volta rápida ideal por causa do tráfego na pista. "Ainda não sabemos o quanto podemos ser rápidos, mas ainda há tempo de descobrir isso", afirmou. O chefe Ross Brawn, por sua vez, ficou feliz por ver o bom desempenho do carro numa pista tão diferentes das usadas nos testes coletivos. "O carro foi muito bem, foi um ótimo começo para o fim de semana", analisou.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Brawn GPRubens Barrichello

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.