Parabéns a você

Aconteça o que acontecer na última corrida do ano, na qual está em jogo uma disputa acirrada entre dois finlandeses velozes e furiosos pelo quarto lugar no campeonato, e separados por apenas um ponto, a “atitude campeã” deste fim de semana já tem um dono - Sebastian Vettel. Quando saiu do box para a primeira volta de aquecimento da segunda sessão de treino livre de ontem, o sempre simpático tetracampeão entrou no rádio cantando em italiano o “parabéns a você” dirigido ao engenheiro Ricardo Adami, uma pessoa de importância especial em sua carreira. Adami era o engenheiro da STR em 2008, quando Vettel conquistou sua primeira vitória na F-1 em Monza, e hoje trabalha com ele na Ferrari.

Reginaldo Leme , O Estado de S. Paulo

28 Novembro 2015 | 03h00

Dois anos depois daquela surpreendente vitória - única na história da Torro Rosso e da equipe que a originou, a Minardi - Vettel conquistaria o primeiro dos seus quatro títulos em Abu Dabi, derrotando o favoritíssimo Fernando Alonso, que liderava o campeonato com uma vantagem de 15 pontos, o próprio companheiro Mark Webber, de quem estava sete pontos atrás, e também Lewis Hamilton, que tinha chances remotas. Foi a decisão mais equilibrada dessa década, e logo no primeiro ano da regra de pontuação para os dez primeiros de cada corrida. Das quatro vezes em que Abu Dabi encerrou o campeonato, apenas esta de 2010 e a do ano passado decidiram o título. Hamilton foi campeão no ano passado, um pouco ajudado pela pontuação em dobro, regra que foi abandonada. 

O charme especial deste GP, além do esplendor arquitetônico do conjunto que inclui o hotel Yas Marina abraçando o circuito e o parque temático da Ferrari, é o fato de ele ser, desde o ano passado, o primeiro disputado durante o crepúsculo. Com largada às cinco da tarde (11h no Brasil), ele termina pouco antes das sete. E para que os pilotos não sintam tanto o contraste da iluminação natural para a artificial, as luzes que cobrem toda a extensão dos 5.554 metros do circuito permanecem acesas o tempo todo, desde os primeiros treinos realizados à tarde. É um espetáculo especial, enriquecido pelos 5.389 painéis de led do hotel mudando de cor de tempos em tempos. 

O outro lado do espetáculo é um grande desafio. A começar pelas poucas voltas durante o Pôr do sol. É o momento em que a visibilidade dos pilotos fica bastante prejudicada em alguns trechos. Outro desafio, este envolvendo engenheiros e pilotos, é que normalmente eles se preocupam com a elevação da temperatura do asfalto durante uma corrida, mas em Abu Dabi acontece o contrário. A temperatura ambiente e a da pista estão sempre em queda (chega a cair de 45 para 32 graus no asfalto). Isso influi no comportamento dos pneus, que desta vez são os dois tipos mais macios da Pirelli, e também do freio (dos nove pontos de freadas, quatro são fortes). 

No mais, o que esta pista de 21 curvas exige é boa tração na parte mais sinuosa do traçado e, ao mesmo tempo, boa velocidade nas retas que compõem a primeira parte de cada volta. Mas os contrastes são curiosos: ao mesmo tempo em que ela tem seis curvas abaixo de 100 km/h (apenas Mônaco e Cingapura têm mais), conta também com o mesmo número de retas (quatro) de Monza. Isso explica a velocidade média próxima a 185 km/h em um circuito praticamente de rua, mas com um pouco de tudo - curvas de alta e de baixa, inclinação positiva e negativa, pontos em que os carros quase tocam o muro e a única área de escape do mundo que fica sob uma arquibancada.

A disputa de hoje entre Hamilton e Rosberg na classificação para o grid tem um sabor especial. O alemão conquistou as últimas cinco poles seguidas, impedindo que Hamilton alcance a 50.ª pole dele na carreira. Mas Rosberg quer também a terceira vitória consecutiva e, se isso acontecer, será o primeiro vencedor de Abu Dabi sem título de campeão. Este GP só foi vencido por campeões do mundo: Vettel (3), Hamilton (2) e Raikkonen. Para Felipe Massa, resta o bom retrospecto de ser o único a marcar pontos em todas as edições de Abu Dabi das quais participou (não correu em 2009 quando estava em recuperação do acidente da Hungria).

Mais conteúdo sobre:
Reginaldo Leme, Velocidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.