OZAN KOSE / AFP
OZAN KOSE / AFP

Pérez lidera 1º treino do GP do Azerbaijão de F-1 após vencer corrida em Mônaco

Piloto da Red Bull ganhou a prova no último ano: ele deixa para trás seu companheiro de equipe Max Verstappen e Charles Leclerc, da Ferrari

Redação, Estadão Conteúdo

10 de junho de 2022 | 10h45

No embalo da vitória no GP do Mônaco, o mexicano Sergio Pérez mostrou força novamente nesta sexta-feira no primeiro treino livre do GP do Azerbaijão de Fórmula 1, em Baku. O piloto da Red Bull deixou para trás Charles Leclerc, da Ferrari, e o companheiro de time Max Verstappen para cravar o melhor tempo desta primeira sessão do fim de semana, com 1min45s476.

Vice-líder do campeonato, o monegasco Charles Leclerc foi o segundo mais rápido, com 1min45s603. O piloto da Ferrari foi seguido de perto por Verstappen, atual campeão mundial, com o tempo de 1min45s810. Em quarto veio o outro carro da Ferrari, com o espanhol Carlos Sainz Jr.: 1min46s012.

O bom rendimento de Pérez no circuito de rua de alta velocidade não surpreende. No ano passado, ele foi o vencedor da prova. Desta vez, ele e os demais pilotos contam com um novo desafio no veloz traçado de Baku: o temido "porpoising". Trata-se do efeito de quique do carro sobre a pista, como se o carro fizesse movimento de "golfinhada" no asfalto.

O efeito é resultado das fortes mudanças estruturais pelas quais passaram os carros desta temporada. Com o maior ganho de pressão aerodinâmica, os modelos começara a sofrer com o "porpoising", o que causa preocupação em pilotos e equipes desde os testes da pré-temporada.

No Azerbaijão, contudo, o efeito tem sido mais intenso por causa das características do traçado, de maior velocidade. A segunda maior pista em extensão do campeonato, com 6,3 km, tem também a reta mais longa (ainda que conta com trechos mais sinuosos) da temporada, de 2 km, entre as curvas 16 e 1. No primeiro treino, quem obteve a maior velocidade ao fim desta reta foi o espanhol Fernando Alonso, a 314 km/h.

Toda essa velocidade intensifica o "porpoising" e ameaça até o uso das asas móveis, na traseira do carro. Quem mais sofreu com este efeito nas asas foi Verstappen. Em uma de suas voltas, a asa parecia prestes a se desprender da sua Red Bull. Assim como outros pilotos, o holandês reclamou das dificuldades de pilotar na pista.

A Red Bull, que vinha conseguindo minimizar as consequências do "porpoising" até então, sofreu bastante com o efeito, assim como Ferrari e Mercedes, que não tinham o mesmo sucesso nesta tentativa nas outras corridas. Com frequência, os carros arrastavam o assoalho na pista, soltando faíscas a cada reta. A equipe que melhor gerenciou o quique dos carros foi a Alfa Romeo.

A maioria dos pilotos entrou na pista nesta sexta com pneus médios e duros, mais lentos que os macios. Pérez, o mais veloz desta primeira sessão, registrou sua melhor volta com os compostos macios. Leclerc e Verstappen usaram apenas uma vez o pneu mais rápido, mostrando que a disputa pelas melhores voltas será mais intensa no segundo treino.

Dono da velocidade mais alta do treino, Alonso registrou o quinto tempo, com 1min46s. Atrás do espanhol da Alpine vieram os carros da Mercedes e um da AlphaTauri. Lewis Hamilton anotou o sexto tempo (1min46s667), seguido pelo japonês Yuki Tsunoda (1min46s696) e pelo inglês George Russell, também da Mercedes, com 1min46s705.

Completaram o Top 10 os dois franceses do grid. Pierre Gasly, o outro piloto da AlphaTauri, anotou 1min46s830, enquanto Esteban Ocon, da Alpine, marcou 1min46s917. Os pilotos voltam ao traçado de rua de Baku às 11 horas (de Brasília) para o segundo treino livre do fim de semana. No sábado, a terceira sessão está marcada para as 8h. A classificação, que define o grid de largada, será às 11h. E, no domingo, a corrida está agendada para as 8h.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.