Divulgação/ Williams Racing
Divulgação/ Williams Racing

Permanência de Russell na próxima temporada será difícil, avalia Williams

Piloto britânico está na mira da escuderia alemã Mercedes e pode formar dupla com Lewis Hamilton em 2022

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2021 | 17h09

George Russell segue bem avaliado no mercado de pilotos. E isso não representa uma boa notícia para a Williams, escuderia onde o britânico corre desde que chegou ao circo da Fórmula 1. A equipe de Grove, internamente, avalia que a permanência do piloto para a próxima temporada é difícil.

Elogiado frequentemente por analistas da maior categoria do automobilismo mundial, o britânico de 23 anos teve a oportunidade de substituir, na Mercedes, o heptacampeão Lewis Hamilton no GP de Sakhir de 2020, quando seu compatriota teve detectada infecção pelo novo coronavírus. Na ocasião, Russell arrancou novos aplausos, apesar de terminar a prova na 9.ª posição.

Jost Capito, CEO da Williams, se colocou no lugar do britânico e afirmou que um convite da escuderia alemã para Russell seria impossível de negar.

"Se um piloto recebe uma proposta da Mercedes na situação atual, há pouquíssimas alternativas. George Russell é um talento excepcional, quanto a isso não há dúvidas. Está envolvido no desenvolvimento de jovens da Mercedes faz muito tempo e reconheceram seu talento desde o princípio", explicou Capito, que também avaliou como o piloto pode ajudar nas melhorias dos carros da Williams.

"Conseguir mantê-lo ou não depende, em grande medida, das ofertas que ele terá, mas também de como trabalhamos com ele agora e de como evoluirá o desenvolvimento do carro de 2022", finalizou o CEO da escuderia.

Neste momento, quem mais se sente ameaçado pela chegada de George Russell é o finlandês Valtteri Bottas. Sem conseguir acompanhar o mesmo ritmo do companheiro Lewis Hamilton, o atual vice-campeão mundial é alvo de críticas frequentes por seu desempenho e não dificultar o trabalho do inglês como seu antecessor, o alemão Nico Rosberg.

Recentemente, por meio da série documental da Netflix "Drive to survive" ("Dirigir para viver", na versão em português), Bottas revelou ter pensado em largar a Fórmula 1, após se ver obrigado, diante de pedido da escuderia alemã, a ceder a liderança do GP da Rússia de 2018 para Hamilton, que viria a conquistar na ocasião seu quinto título mundial.

George Russell terá sua terceira temporada pela Williams em 2021. Nos dois anos anteriores, o jovem britânico não conseguiu pontuar. Sua melhor posição em uma prova pela equipe de Grove foi o 11.º lugar nos GPs da Toscana, em 2020, e da Alemanha, em 2019. A nova temporada da Fórmula 1 terá sua estreia no próximo domingo, dia 28 de março, com o GP do Bahrein.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.