Pesquisa revela custos da F-1; Ferrari é equipe mais eficiente

A escuderia italiana foi a mais eficiente em custos: € 41 milhões (R$ 125 mi) para cada uma de suas oito vitórias

Ansa

24 de março de 2009 | 10h09

 BOLOGNA - Vencer um Grande Prêmio de Fórmula 1 custa em média 135 milhões de euros (cerca de R$ 413 milhões), afirma um estudo divulgado nesta terça-feira pela consultoria italiana StageUp.

Veja também:

especial Confira como a crise afeta a Fórmula 1

especialConfira o calendário (com horários) da temporada 2009

video TV ESTADÃO: O que esperar do começo da disputa?

especialEspecial: jogue o Desafio dos Pilotos

O valor apontado pela empresa é quatro vezes maior do que o limite de orçamento, decidido pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA), que se tornará obrigatório a partir de 2010.

Segundo a análise da pesquisadora bolonhesa, a equipe mais eficiente em termos de custos em 2008 foi a Ferrari, que gastou 'modestos' 41 milhões de euros (R$ 125 milhões) para cada uma das oito vitórias obtidas.

A inglesa McLaren, por sua vez, gastou 57,1 milhões de euros (R$ 175 milhões) para cada triunfo de Lewis Hamilton, enquanto a Toro Rosso desembolsou 101,4 milhões (R$ 310 milhões) por vitória no ano passado.

A BMW Sauber, do piloto polonês Robert Kubika, gastou 290 milhões (R$ 888 milhões) de euros pela única vitória conquistada no Mundial de Fórmula 1 de 2008, que foi a primeira da equipe na categoria.

Ainda segundo o estudo, os 702 pontos disputados em 2008 custaram em média 3,5 milhões de euros (R$ 10,7 milhões) cada.

Também neste quesito, a Ferrari demonstrou ser a mais eficiente, gastando em média 1,9 milhões por ponto (R$ 5,8 milhões), enquanto a BMW Sauber e a McLaren gastaram respectivamente 2,1 e 2,3 milhões (R$ 6,4 e 7 milhões).

Entre as maiores decepções na última temporada em termos de custo-benefício, a equipe japonesa Honda gastou 22,5 milhões de euros (R$ 69 milhões) por ponto conquistado na competição.

O estudo da StageUp mostra que os patrocinadores que mais contribuíram para a F-1 foram as empresas de telecomunicações, que gastaram até cerca de 180 milhões de euros (R$ 551 milhões).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.