Petrobras diz que foi pega de surpresa com decisão da Honda

Não há confirmação se a empresa estatal brasileira continua ou não na categoria da qual faz parte desde 1998

Tércio David, estadao.com.br

05 de dezembro de 2008 | 20h05

A Petrobras não quis comentar oficialmente a desistência da Honda de continuar na Fórmula 1 em 2009. A petrolífera, que iria fornecer combustíveis para o time japonês no ano que vem, tem acordo com a Williams até 31 de dezembro e só poderá se pronunciar oficialmente sobre o assunto depois desta data. A assessoria da empresa não confirmou, inclusive, se a empresa continua ou não na categoria da qual faz parte desde 1998.Veja também: Galeria de fotos da Honda na F-1 Blog do Livio: mais sobre a saída da HondaEquipe Honda gastava R$ 400 milhões por ano na Fórmula 1Presidente da Honda confirma saída da Fórmula 1A petrolífera também informou que, embora negociasse com a Honda, nenhum tipo de antecipação sobre a saída da equipe da F-1 foi feito. "Fomos pegos de surpresa, assim como todos", confirmou a assessoria.Sobre a possibilidade de a petrolífera brasileira fazer algum tipo de parceria para comprar o espólio da Honda, a Petrobras informou que "é apenas fornecedora de combustíveis", embora também não descarte completamente a idéia. "Vamos nos pronunciar oficialmente apenas em janeiro, até lá, nada pode ser dito", reiterou a assessoria de imprensa.A assessoria da empresa também afirmou que os demais contratos esportivos deverão ser mantidos, inclusive apoio às equipes da Fórmula Truck, de rali (Sertões e Dakar) e do Flamengo, no futebol. A petrolífera, no entanto, descarta reativar a Petrobras Junior, que disputou algumas temporadas da F-3000 (que deu origem à GP2).

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrasHondaFórmula 1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.