Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Pietro Fittipaldi é anunciado como substituto de Grosjean no GP de Sakhir de Fórmula 1

Neto do bicampeão Emerson Fittipaldi será o 31ª brasileiro a disputar um Grande Prêmio

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2020 | 08h13
Atualizado 30 de novembro de 2020 | 10h31

O Brasil voltará a ter um piloto no grid de largada da Fórmula 1, ainda que por apenas uma corrida, podendo se estender por mais uma e mesmo com o campeonato definido em favor de Lewis Hamilton. Nesta segunda-feira, a Haas confirmou que Pietro Fittipaldi, neto do bicampeão Emerson Fittipaldivai substituir o francês Romain Grosjean no GP de Sakhir, disputado no mesmo circuito do Bahrein que recebeu a prova do último domingo.

Será a estreia do neto de Emerson na principal categoria do automobilismo mundial. Pietro, de 24 anos, atua como piloto reserva do time americano há duas temporadas. Ao alinhar no grid, no próximo domingo, ele se tornará o 31º brasileiro a disputar um GP de F-1 na história, repetindo os feitos do avô e dos tios Wilson e Christian Fittipaldi. Até então, Pietro só havia participado de treinos livres com a Haas.

O brasileiro foi convocado para defender as cores da Haas na pista de Sakhir porque um dos dois titulares do time, Romain Grosjean, sofreu forte acidente no domingo, no início do GP do Bahrein. Após ser tocado pelo russo Daniil Kvyat, o francês acertou com força o muro de proteção e seu carro se partiu em dois, em meio a uma forte explosão. Surpreendentemente, Grosjean saiu consciente e andando do local do acidente, com o carro em chamas.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
A decisão de colocar Pietro no carro foi muito fácil. Ele tem familiaridade conosco e com o carro
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Günther Steiner, chefe da escuderia

No entanto, ele sofreu queimaduras nas duas mãos e, ainda na noite de domingo, gravou um vídeo no hospital para afirmar que estava bem, apesar das lesões. Ele foi atendido no Hospital Militar do Bahrein. A Haas, então, decidiu deixar Grosjean fora da próxima corrida. "Decidimos que o melhor para Romain era deixá-lo fora de ao menos uma corrida. A decisão de colocar Pietro no carro foi muito fácil", afirmou Günther Steiner, chefe da escuderia.

"Ele tem familiaridade conosco e com o carro, está com a equipe há duas temporadas, como piloto reserva e de testes. Foi a decisão certa a tomar e, obviamente, será uma boa oportunidade para ele. Ele tem sido paciente e sempre esteve preparado para esta oportunidade, que agora chegou. É por isso que queremos ele no carro. Tenho certeza de que fará um bom trabalho", disse o dirigente do time americano.

O Brasil não tem um piloto na pista da F-1 desde o fim de 2017, quando Felipe Massa defendeu a Williams no GP de Abu Dabi. Desde então, Pietro e Sergio Sette Câmara, atual piloto reserva e de testes da Red Bull e AlphaTauri, eram as principais esperanças do Brasil em ter novamente um representante no grid. Dependendo da recuperação de Grosjean, Pietro poderá disputar também a última corrida da temporada, em Abu Dabi, dia 13 de dezembro. Em comunicado, o brasileiro admitiu que "não era a situação ideal" para ganhar esta chance. "Será empolgante fazer minha estreia em uma corrida na F-1. Vou dar tudo o que posso e já estou ansioso para o primeiro treino livre, na sexta-feira", disse o brasileiro.

A oportunidade vem em boa hora para o neto de Emerson porque tanto Grosjean quanto o dinamarquês Kevin Magnussen, o outro titular da Haas, não vão permanecer na escuderia em 2021. Os mais cotados para ocupar estas vagas são Mick Schumacher, filho do heptacampeão Michael Schumacher, e Nikita Mazepin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.