Piloto acidentado enfrenta duas cirurgias

Líder do campeonato com 69 pontos, Wellington Cirino deve passar por duas cirurgias nesta segunda ou terça-feira. Na última sexta-feira o piloto da Mercedes bateu o caminhão a 160 quilômetros por hora contra o muro. Cirino sofreu nove fraturas - uma na mão direita e as outras na perna, entre a tíbia, fíbula e calcanhar. Cirino seria operado neste sábado na Santa Casa de Londrina mas, segundo o médico da Fórmula Truck, Daniel Gabriel de Moraes, as cirurgias foram adiadas para que o pé desinchasse. Serão feitas cirurgias no pé e tíbia ao mesmo tempo. A mãe do piloto, Claudia Cirino, agradeceu o apoio dos amigos da categoria. "Todos os pilotos vieram falar comigo e deram muita força. O Wellington está bem, mas sente muita dor. Está suportando só com a ajuda de muitos analgésicos. Pelo menos os médicos disseram que não devem ficar seqüelas", disse. Não há previsão para que Cirino volte às pistas. Existe uma grande possibilidade de não voltar a correr ainda nesta temporada, mas a mãe do piloto está otimista: "Se tudo der certo, talvez em três meses ele possa voltar. Sabemos que a recuperação varia em cada pessoa." Para Claudia Cirino, o pior já passou: "Ainda estou meio tonta com o que aconteceu, mas agora está tudo resolvido. Em São Paulo chegaram notícias horríveis, de que ele tinha até perdido a perna. Agora estou mais aliviada. Muita gente do Brasil todo me ligou para saber o que aconteceu, e todos já sabem que não há nada que as cirurgias não possam resolver", concluiu. O pole position, Djalma Fogaça, ressaltou: "Se essa vitória vier, certamente vou dedicar a ele. Todo mundo sentiu muito o que aconteceu com ele.Quando o Wellington era um moleque eu já corria. Estamos todos torcendo para a recuperação dele."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.