Pilotos adoraram o circuito da Turquia

Normalmente os pilotos são comedidos nos comentários antes de andar com seus carros de Fórmula 1 num circuito novo. Esse não foi o caso, hoje, no mais novo autódromo concebido pelo arquiteto alemão Herman Tilke, em Istambul. "É realmente fascinante", resumiu Michael Schumacher, referindo-se ao traçado de 5.338 metros, composto por 14 curvas, sendo a maioria para o lado esquerdo por trata-se de uma pista onde se corre no sentido anti-horário. O calor é mesmo forte como se esperava, sempre acima dos 30 graus, com a impressionante umidade próxima dos 80 %, o que aumenta ainda mais a sensação térmica. Hoje os operários ainda finalizavam detalhes do Istambul Park, como é chamado, oficialmente, o autódromo, localizado na direção da capital turca, Ancara, a cerca de 60 quilômetros de Istambul, embora na porção externa, nas vias de contorno da área, há muito trabalho ainda pela frente. O tráfego é intenso, em especial na ponte sobre o estreito de Bósforo, que conecta a Europa, onde está a parte mais antiga de Istambul, a Ásia, região da pista. Mas nada disso parece incomodar os pilotos. "Estou impressionado, é bem diferente das desenhadas pelo mesmo arquiteto, como Bahrein, Malásia e China, com suas subidas e descidas esta é muito mais interessante para nós, pilotos", falou o líder do Mundial, Fernando Alonso, da Renault. "Muitas curvas você não vê a entrada por causa da topografia, será preciso começar a frear antes de vê-la, muito desafiador", completou o espanhol. Rubens Barrichello deu sua opinião: "Há curvas em que você sempre vai achar que poderia ter freado depois, bem seletivo." Tilke contou, ainda no GP da Alemanha, que a exemplo dos traçados de Bahrein e China consultou Schumacher. O piloto confirmou, mas não assume a responsabilidade pelo desenho. "Foram perguntas do tipo o que eu acho disso ou daquilo, apenas." Kimi Raikkonen, da McLaren, vice-líder do campeonato, percorreu a pista a pé, como a maioria dos pilotos. "Há freadas fortes, como a da curva 12, seções longas, como da curva 2 e as três seções que formam a veloz curva 8; trechos formados por esses rápidos, como nas curvas 3, 4 e 5, e lentos, a exemplo do formado pelas curvas 12, 13 e 14, parece ser maravilhoso." Tudo será verificado na prática, amanhã, a partir das 5 horas (horário de Brasília), quando começam os treinos livres do GP da Turquia. O tempo de volta estimado pelas equipes é de 1 minuto e 24 segundos. Com a diferença de 6 horas a mais de Istambul para Brasília, a sessão que definirá o grid começará, sábado, às 7 horas, enquanto a corrida, domingo, em 58 voltas, será às 9 horas. A Rede Globo transmite tanto a classificação quanto a prova.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.